Marcelo critica, Peruano elogia e Landim aguarda confirmação: o que os opositores falam da venda de Paquetá

FOTO: GILVAN DE SOUZA/FLAMENGO

Por: Igor Dorilêo e Venê Casagrande

A oposição ficou dividida na hora de comentar a negociação de Lucas Paquetá com o Milan. Em contato com a equipe de reportagem do Coluna do Flamengo, cada um optou por um posicionamento distinto. Marcelo Vargas classificou como “incompetência e irresponsabilidade” da gestão Bandeira de Mello. José Carlos Peruano viu o clube “sem opção”. Já Rodolfo Landim prefere aguardar a concretização da venda para se manifestar.

No total, o time rossonero pagará 35 milhões de euros pela joia rubro-negra. Desse montante, 70% do valor será destinado ao Flamengo, porcentagem contratual pertencente ao clube. O dinheiro será pago parceladamente. 10% ainda nesta temporada, enquanto os outros 90% serão diluídos até o final de 2019, quando um dos opositores pode estar no comando. Paquetá ainda disputa as dez últimas partidas do Campeonato Brasileiro antes de ir para a Itália, em janeiro.


Compre capinhas oficiais do Mengão para seu celular. São diversos modelos, para você escolher o que mais combina contigo. CLIQUE AQUI para conferir!


Confira o que pensa cada candidato da oposição sobre a negociação de Lucas Paquetá:

Marcelo Vargas

“A venda do Paquetá, no valor e no momento em que foi concluída, deixa claro e constata a incompetência e a irresponsabilidade da atual diretoria no que diz respeito ao futebol.
O Flamengo está em um círculo vicioso, onera de forma absurda e o departamento responsável pelo futebol para conseguir pagar esses compromissos vende suas principais revelações cedo e por valores abaixo da multa rescisória. Com essa gestão no futebol, se cria uma bola de neve, contrações estranhas de jogadores caros que não dão retorno e a venda das nossas revelações para bancar essas contratações, resultado não conquistamos títulos, pois temos um time sem o DNA do Flamengo”.

José Carlos Peruano

“Se você não vende um jogador por esse preço, e o jogador fica treinando, arruma um problema. Deixou de vender ele pelo preço que vai garantir a vida financeira dele. Não tem opção. Nesse caso do Paquetá, acho que tinha que ter esperado. Porque nesse momento político, qualquer coisa que faça… No Flamengo, um copo d’água vira um maremoto. Se eu eu fosse presidente, venderia ele pelo preço que foi oferecido. Ele estava em alta, deu uma caída. Tem que aproveitar o mercado. Se ele vai mal, daqui a dois meses de repente desistem do negócio. Mas a torcida está carente de ídolo, e o Paquetá era um garoto que era a imagem do Flamengo. Corria, se esforçava. A gente fica triste, mas ou o futebol brasileiro se estrutura para não perder jogadores, ou não vai ter mais ídolo”.

Rodolfo Landim

Após a publicação da matéria, a Chapa de Rodolfo Landim se posicionou às 20h13 (horário de Brasília), analisando a venda do Garoto do Ninho em cinco pontos. Confira:

“A venda do atleta Lucas Paquetá é analisada por nós da Chapa Unifla sob cinco pontos fundamentais.

1) É inacreditável que façam isso na reta final do Brasileiro, demonstrando que a diretoria atual não tem o menor compromisso com a vitória.

2) É inaceitável que a venda tenha sido feita por um valor abaixo da multa. E, no mínimo questionável, que tenha acontecido a 82 dias do final da gestão atual. Qual o critério para se abrir mão da possibilidade de um valor maior?

3) Tal fato se agrava com a participação de um VP do Futebol – e candidato à presidência do clube – que recentemente deu declarações sobre a possível venda do atleta, já planejando a aquisição de possíveis substitutos. Nunca é demais lembrar que uma parcela significativa das negociações fica com empresários, advogados, etc. É difícil entender que o clube venda o nosso melhor jogador para comprar outros, havendo ainda perda de dinheiro.

4) O timing da transação é um enigma. Ou a negociação foi fechada e não comunicada para que não atrapalhasse os objetivos eleitorais do presidente Bandeira; ou é um castigo que ele quer impor ao associado e ao torcedor em função do fracasso nas urnas. O que é pior? Ele saber e não contar, ou fechar depois da apuração como forma de punir quem não votou nele?

5) Na nossa visão, craque o Flamengo faz em casa. Mas, na atual administração, o craque feito em casa é vendido de qualquer forma, e o dinheiro é jogado no lixo”.

3 Comentários
Carregando comentários...
Criação de sites e aplicativos para celular