Flamengo, um time sem poder de fogo

Mais um jogo. Mais um em que o Flamengo tem a bola para garantir a vitória e não tem calma ou competência para definir. Mais uma vez o nosso poder de fogo deixou a desejar…

O Flamengo de 117 gols na temporada dá a falsa impressão de um time letal, mas basta acompanhar o time em partidas importantes para que essa teoria caia por água abaixo. Lembre – se da Libertadores, onde não conseguimos conquistar um ponto fora de casa, mas dominamos os confrontos contra Universidade Católica e Atlético Paranaense. Agora recorde a quantidade de gols perdidos.

No Campeonato Brasileiro, você deve ter em sua memória o pênalti perdido contra o Palmeiras, aquela bola de Diego contra o Corinthians, a de Vizeu contra o Vasco. Sem contar em pelejas que tivemos controle do jogo e não conseguimos matar como contra o Botafogo, Fluminense, Atlético Paranaense, Avaí, Cruzeiro…

O Flamengo se tornou um time amigável para os demais, isso para não dizer inofensivo. Fica com a bola a maioria do tempo, mas não mata o duelo. As oportunidades pipocam e ninguém consegue colocar a bola para dentro.

Incompetência? Instabilidade psicológica? Falta de treino? O fato é que se Guerrero tivesse um pouquinho mais de faro de gol, teria o dobro dos gols que fez no ano. Se Vizeu tivesse um pouquinho mais em forma não seria reserva de um meia improvisado no ataque e sem cacoete nenhum para ser matador.

O Flamengo cria oportunidades. Mas desperdiça a grande maioria delas. Não é um time com vontade de balançar as redes. Na verdade, a impressão que fica é que o rubro-negro fica esperando (e implorando) que saia um gol para poder se defender e segurar o resultado. E aí está o grande problema. O gol deveria ser uma obsessão. É preferível fazer 4 e tomar 3, do que viver sofrendo para segurar o resultado.

Já dizia o ditado, a melhor defesa é o ataque. Se quer propor o jogo, seja agressivo, incisivo, intenso.

O Mais Querido pouco finaliza, e quando o faz, chuta mal. É um time que arrisca pouco de fora da área, mesmo tendo bons jogadores neste fundamento.

E assim vamos acumulando empates e sofrendo derrotas contra adversários que, diferentemente de nós, tem uma ou duas oportunidades no jogo, mas são suficientes para fazer o gol.

Precisamos de jogadores com poder de decisão. Que busquem e façam gols. Se tivéssemos esse atleta este ano, nossa história seria muito diferente.

Pensem nisso! 2018 passa por jogadores que saibam e queiram muito ser artilheiros. Principalmente os homens de frente que ganham, e muito bem, para isso.

SRN!

Jerônimo Simeão Júnior

#ColunaDoJJ


Veja mais:


Concorda ou Discorda? Comente, cornete e se gostar Divulgue! Ah! e se quiser saber mais sobre o Mengão segue lá no Twitter ! É Mengão 24 horas por dia!

34 Comentários
Carregando comentários...
Criação de sites e aplicativos para celular
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com