Decisivo é pouco, agosto é o mês da afirmação!

Julho se encerrou com a goleada deliciosa sobre o rival mais fabricado do futebol brasileiro. Os 4×1 sobre o Sport trouxeram novidades táticas além da apresentação de Vitinho, que não era a minha opção para os 10M de euros gastos, mas vestiu a camisa é nosso e torço pelo Flamengo ser campeão com ele. Já torci por Gabriel, que, inclusive, vimos no último domingo…

Olá, coleguinhas de Coluna do Flamengo. Parece estranho fazer duas colunas de calendário com esse espaço, mas começamos julho pela metade graças à copa. Vamos ver o que produzimos nestes quatro jogos que fizemos no mês que se encerrou?

Para começar gostaria de colocar as minhas impressões táticas, já que foram apenas quatro jogos, não deve ocupar muito espaço. Jogamos a “estreia” contra o São Paulo, que mais cresceu neste período pós copa. O tricolor assumiu o modelo de jogo reativo e, apesar de uma estratégia válida, esta proposta não me apraz. Fizeram um gol numa jogada de contra-ataque com a nossa defesa totalmente desarrumada. Mérito deles. Demérito nosso em não fazer o gol mesmo tendo chance. Uribe estreou contra eles e quase deixou o dele.

Neste jogo e depois contra o botafogo e Santos demonstramos algumas coisas que o time treinou na parada da copa. Muitas triangulações e toques de primeira. Sobretudo pelo lado esquerdo, lado que perdemos uma peça fundamental. Será que as triangulações vão morrer? Pois bem, contra o botafogo fizemos dois gols rápidos, um deles uma pintura de Sávio. Não podemos esquecer que voltou agora e vai oscilar por não conhecer os companheiros. Contra o Santos fizemos o gol cedo e depois fomos muito pressionados. Rodrygo fez o que quis e só respiramos aliviados, porque Chulapa solapou o próprio time. Chuva de gols contra o Sport e poderiam ter sido mais. Olho no time que passou a cruzar muito no início do segundo tempo. O gol de Uribe não foi de cabeça. Alguém tem que fazer os jogadores entenderem.

7 pontos em 12. Derrota para o São Paulo naquele “jogo de seis pontos”, oscilação. Possivelmente a falta de ritmo cobrou seu preço. Espero que, com o retorno dos jogos, consigamos nos elevar ao nível do primeiro semestre. Foram 7 gols feitos e 3 levados. Mais que no mês anterior com a mesma quantidade de partidas, mas o aproveitamento de 58% é muito inferior. Everton e Paquetá lideram com dois cada, seguidos de Réver, Uribe e Sávio. Foram cinco amarelos, dos quais dois para Diego que já figura na lista dos pendurados, embora já tenha cumprido suspensão há pouco tempo. Diminuíram os cartões. Ótimo! Que se mantenha assim! Diego, Everton, Uribe e Marlos foram os assistentes com um cada este mês. Cadê os laterais???
Foram poucos jogos, mas a base carimbou em todos! Jean Lucas(12), Sávio(150) e Lincoln(20) foram os utilizados. Jean Lucas merecia mais minutos assim como Lincoln. Ainda não é uma corneta, mas Ronaldo e Hugo mereciam melhor sorte, também.

O mês de agosto será decisivo no sentido mais amplo da palavra. Teremos duas decisões em mata-matas contra Grêmio e Cruzeiro. A minha tendência é a de querer pular de uma das competições. Vou ser ainda mais impopular quando disser que ela deve ser a Copa do Brasil, ou seja, temos que pular fora contra o Grêmio que é o próximo compromisso na quarta na nossa excursão no sul. Isso não quer dizer que torcerei por isso.

Ficaremos no sul na próxima semana em duas partidas contra o Grêmio na arena deles. Penso que isso facilitará a logística e torço mais por uma vitória no final de semana contra os possíveis reservas deles do que uma vitória na hoje. Me contento com um empate e, se encontro um motivo para não dar essa vaga de bandeja é o Renato. Revanchismo move o futebol também.

Na outra semana muda tudo. Jogaremos em casa pela libertadores e campeonato brasileiro, onde temos que jogar a vida e depois pela copa do Brasil de novo. Chega de ser chacota sulamericana! O que quer dizer que temos que dosar o time contra o Grêmio no brasileiro, talvez colocando algum reserva. Calma! Não temos que poupar todo mundo. Vamos ver o que o Chip diz. Aí já são loucos cinco jogos. Três contra o Grêmio e dois contra o Cruzeiro. Trazer os seis pontos, aproveitando que o time de Renato estará dando atenção às copas é vital. Depois, temos que ganhar do Cruzeiro pela libertadores. Isso também é de suma importância. Avançar na copa do Brasil será um plus!

Daí faremos três jogos contra times de baixo da tabela. Nestes jogos temos que rodar quem puder, dar descanso a quem pudermos, zerar os cartões dos pendurados, preparar o time para o duelo que encerra o mês contra o Cruzeiro fora. Este é o jogo que temos que nos preocupar demasiado. Atlético Paranaense, Vitória e América MG Serão times que temos que trazer as vitórias, ainda que com desfalques.

Atenção! Contra o Furacão faremos nossa última partida do turno do brasileiro. Até hoje, a esmagadora maioria dos times que viraram o turno na primeira colocação, sagraram-se campeões. Não sou supersticioso, mas não custa manter esta pressão psicológica sobre os rivais. Está ao nosso alcance. Não custa sonhar com 15 pontos no brasileiro e uma classificação em mata-mata. Exagero?

Vai pra cima deles, Mengo!

Anderson Alves, O otimista.

0 Comentários
Carregando comentários...
Criação de sites e aplicativos para celular