Férias? Negativo, é hora de preparar para as batalhas

Sempre eu hei de ser precavido… acabou o primeiro turno e o primeiro terço (nem isso) do campeonato brasileiro. O que precisamos fazer para nos mantermos no topo? Apesar de podermos apontar as milhões de falhas no planejamento do Flamengo, agora vamos levando até dezembro e comentando o que podemos.

A primeira coisa a fazer é melhorar ainda mais o meio campo e a distribuição de bola. Porque? Simples, com dois laterais limitados no apoio, se o time oponente tiver as linhas de marcação próximas umas das outras e um homem na sobra entre as linhas, fica fácil de marcar. Nesse caso, ou achamos novos laterais, ou melhoramos muito as trocas de bolas. O time do Palmeiras, no último confronto do semestre, não tinha esse homem sobrando entre as linhas, mesmo assim evitou a troca de bolas do Flamengo como vínhamos fazendo nos jogos anteriores. O problema para o flamengo pode ser ainda pior se o atacante do time adversário tiver pernas para marcar o Paquetá na saída de bola. Nesse caso, possivelmente Diego e/ou Everton Ribeiro terão que ajudar na distribuição. No caso do Diego isso vai trazê-lo novamente para a participação medíocre de alguns jogos.

Quanto a acharmos novos laterais, depende do que você, que está lendo, acredita. Começamos com Renê. Se você acredita que Renê é bom jogador e estava passando por uma má fase, deve-se mantê-lo no elenco. Se você acredita que ele era aquilo e agora ele está passando por uma fase boa, então mande embora ou para o banco de alguém. Eu acho que o Renê é o mesmo jogador limitadíssimo no ataque, e regular na marcação, melhorou a performance porque o time está agora mais organizado. No lado direito ainda há mais problemas já que mesmo o time melhorando temos tido quase nenhum apoio decente. Rodnei cruza mal, recompõe mal, cobre decentemente, e dá combate bem se o jogador adversário tiver correndo pelo lado externo do campo junto a linha lateral e tem dificuldade de marcar por dentro quando necessário. O time precisa de apoio dos laterais para oferecer suporte ao jogador de meio que caí pelas pontas. Caso contrário o time fica previsível e fácil de marcar.  Jogando com um volante, os laterais são obrigados a ajudar na saída de bola.

No meio campo, é preciso melhorar as flutuações. Flutuação é uma palavra muito usada nos comentários da imprensa esportiva, mas poucas pessoas sabem o que na verdade significa. O conceito de flutuação é na verdade baseado na marcação; no Brasil se usa o termo para referir-se ao jogador que se movimenta livremente no meio campo. Segundo a teoria e prática de futebol, marcação por flutuação refere-se àquela onde os defensores que estiverem na região em que a bola se encontra, terão que marcar pressão seus adversários, de forma ativa, oferecendo coberturas e bloqueando também as linhas de passes próximos. Os demais jogadores que estiverem mais distantes da bola irão “flutuar”, ou seja, irão vigiar dois ou até mais adversários. “Flutuar” na marcação significa ficar numa distância razoável de dois ou mais adversários, de forma que se a bola for passada para algum deles, o defensor terá tempo de se aproximar, fazendo a abordagem ou no mínimo atrasando a progressão deste oponente, oferecendo tempo para que seus colegas de equipe ajustem o novo posicionamento defensivo. O mesmo princípio pode ser adaptado ao ataque e meio campo, nesse caso, o jogador que detém a bola recebe ativamente suporte e aproximação de outros jogadores, ao invés, de por exemplo esperar uma enfiada em diagonal ou uma abertura de bola pelos flancos. Há um bom indício de melhora, mas ainda há o que melhorar. Especialmente para os jogos da libertadores quando precisaremos vencer jogos contra times que jogarão com linhas de 4 ou 5 jogadores marcando.

No ataque a solução é mais simples, precisamos de um jogador para ser titular e colocar o Dourado no banco. O que vemos não é o melhor, nem o pior do Dourado, é o que o Dourado é. Nessa perspectiva a contratação do Dourado foi um erro por quanto nos custou.

Nesse período inter-temporada, é preciso comentar sobre planejamento. Vamos deixar uma coisa clara aos haters que me chamam de hater. EBM, na minha opinião, foi o presidente mais importante dos últimos 45 anos no flamengo e um dos maiores presidentes da história. Por outro lado, a gestão do futebol do flamengo foi um fracasso nos últimos 3 anos. Se ganharmos tudo esse ano, ainda assim será um fracasso no planejamento. Será sorte, sim sorte, porque ganharmos um campeonato com um técnico interino é sorte, não planejamento.

Em nome do bom planejamento, é preciso que se contrate alguém para o lugar do VJR mesmo que ele fique até o ano que vem. Portanto, sabemos que vamos perder o Paquetá, se não agora, nos próximos meses, então que se contrate logo. Planejar é antever. Tirando isso da frente, precisamos de dois laterais para serem titulares (como eu falei, o Renê ainda não é o cara, ele não me engana; se for venho aqui e dou o braço a torcer, para cada boa apresentação boa do Renê há 54 ruins). E como falei, um centroavante.

E falando em braço a torcer, o barbí vem fazendo um bom trabalho, mas ainda não é um bom técnico, será se conseguir manter a qualidade tática do time, melhorar ainda mais o meio campo, e criar variações táticas. Mas, torcendo o braço está sendo muito melhor do que eu imaginei.

2 Comentários
Carregando comentários...
Criação de sites e aplicativos para celular