Falha individual, um perigo oculto

Salve, Salve, Nação Rubro-Negra!

Nesta segunda-feira utilizarei este espaço democrático para divagar sobre a dualidade “individual x coletivo”. É certo que, no futebol, uma coisa não sobrevive sem a outra e vice-versa, se é que vocês me entendem. Peço desculpas inicialmente pela extensão da coluna de hoje, mas tenho que tocar em vários pontos específicos para que consiga traçar uma diretriz acerca do tema abordado. Vamos lá!

Podemos começar dizendo uma frase que meu pai sempre diz: “Ninguém faz milagre!”, e assim ocorre desde que o mundo é mundo. Muito temos dissertado sobre o elenco do Flamengo, taxando-o de superestimado (concordo), desequilibrado (também concordo), e que faltam peças de reposição à altura (mais uma concordância). Além dessa visão macro, poderíamos dizer, mais analiticamente, que o individual vem falhando constantemente.

A partir dessa tese, podemos constatar que o coletivo tende a falhar quando o individual vai mal e isso é uma constatação muito fácil de ser observada. Analisando atentamente os jogos que o Flamengo vem fazendo, é imperativo dizer que usualmente criticamos um ou outro jogador, seja ele qual for, por sua inconsistência e seu baixo rendimento nas partidas.

Não temos sido um “bando” em campo, como apregoam alguns colegas. Não que sejamos um time bem equilibrado, longe disso, mas não percebo terra arrasada. Há um revezamento no baixo rendimento individual, salvo em raríssimas exceções. Isso me preocupa, aliás, vem tirando o meu sono há algum tempo. Apesar de termos ganhado alguns jogos em sequência, é de entendimento geral que não temos apresentado um bom futebol, seja pelo motivo que for.

Aparentemente, há um véu sobre o mau futebol por nós apresentado, a não ser que analisemos mais intrinsecamente o momento esportivo do clube. Se filosofarmos um pouco a respeito, perceberemos que nosso individual tem falhado constantemente, identificaremos que há uma consistência sucessiva de falhas pontuais ao longo dos jogos. O motivo dessas falhas deve ser estudado mais a fundo e sanado o mais rapidamente.

Seja pela mudança constante de esquema ou de peças, seja pelo emocional momentâneo do jogador, seja pelo clima ou pelo motivo que for, nossos atletas têm falhado de forma contumaz. Isso vem nos afetando coletivamente, pois um elo fraco faz a corrente muito menos consistente. Nossos adversários têm sido brindados e vêm se beneficiando com algumas dessas situações, aproveitando para nos tirar pontos importantes nos jogos durante nossas campanhas.

Seja no ataque, na defesa, na transição, no aproveitamento em finalizações, ou em outros quesitos como nosso passe ou algum erro de posicionamento, por exemplo, temos dado armas aos adversários para que eles se aproveitem das situações criadas, mesmo que não sejamos prejudicados. Essas falhas têm que acabar, e logo.

Não existe esquema tático infalível, tampouco existe jogo coletivo que sobreviva quando o individual vai mal. Isso é fato, ponto pacífico. O que percebemos é que essas falhas individuais estão sendo frequentes e de forma alternada, excetuando-se alguns jogadores, tanto pro bem quanto pro mal. Se olharmos mais atentamente, salvo em raríssimas exceções, os gols que temos tomado são exclusivamente motivados por falhas individuais.

Se isso não mudar, continuaremos criticando os atletas individualmente jogo a jogo, crucificando A ou B de acordo com suas atuações nas partidas. Criticaremos, também, os diferentes esquemas táticos utilizados pela comissão técnica na montagem do time. Esse não deve ser o foco. Na minha opinião, devemos tratar para que as falhas individuais não ocorram na frequência com que vêm ocorrendo para que nosso jogo coletivo sobressaia e prospere de uma vez por todas.

Se conseguíssemos frear essas más atuações individuais, nosso time brigaria sempre na ponta de todas as tabelas, mas esse ajuste fino é dificílimo de ser conseguido. Várias áreas devem trabalhar em conjunto para que esse mal seja amenizado, é um processo interdisciplinar. Devemos juntar psicologia, treinamento e muita conversa para que possamos evoluir, minimizar as falhas e podermos alçar voos mais altos.

Além disso, acho fundamental trabalharmos os fundamentos. Passe, finalização, deslocamento, triangulações, virada de jogo. Tudo isso é passível de treinamento. Mas isso deve ser executado à exaustão e frequentemente. Sei que é uma prática um tanto quanto ortodoxa e pouco afeita às aspirações da “boleirada”, mas considero ferramenta de extrema importância quando o assunto é futebol de alto rendimento. A repetição nos aproxima da perfeição, seja qual for a área de atuação.

Aliado a isso, deveríamos definir um esquema tático básico e praticá-lo nos treinamentos, para que os atletas possam realizá-lo automaticamente. Suas variações poderiam ser implantadas posteriormente, na medida em que esse esquema principal já estivesse arraigado na mente dos atletas.

Tenho plena consciência de que muitos podem achar que essa tese é utópica, mas devo discordar veementemente. Posso cravar aqui a certeza de sucesso absoluto, caso esses métodos sejam implantados. Para que isso aconteça, é necessário tempo e esforço conjuntos de comissão técnica, elenco e diretoria para lograrmos êxito na empreitada.

Fazendo assim, tenho absoluta convicção no sucesso esportivo do Flamengo, pouco importando os atletas que componham nosso elenco. É obvio, no caso do Mengão, que isso seria maximizado devido ao nosso patamar financeiro, cujo qual nos possibilita montar um elenco com peças de qualidade muito superior às demais agremiações do futebol nacional.

Para isso, um real e efetivo planejamento é extremamente necessário. Um planejamento bem diferente do que temos adotado nos últimos anos, através de oportunidades de mercado. As oportunidades são excelentes, mas apenas quando coincidem com o tipo de atleta desejado pela comissão técnica. Se não for assim, é mau investimento. Mas isso é um assunto mais delicado e prefiro postergá-lo e abordá-lo em outra coluna.

Que o Flamengo possa identificar logo essas inconsistências individuais e aja de forma célere, para amenizar da melhor maneira essa nossa fraqueza. Pelo bem de nosso futebol e pela alegria dessa Nação maravilhosa. Que Deus abençoe e ilumine nosso clube. Oremos! Vai pra cima deles Mengo!!!

O Flamengo simplesmente é!

Saudações rubro-negras a todos!

Fabio Monken

Twitter: @fabio_monken

Gostou? Não gostou? Concorda, discorda? Ótimo!
O Debate sempre será salutar!
Deixe seus comentários e interaja conosco!
Pontos de vista divergentes são essenciais à evolução do homem.
Mas lembre-se: Somos todos Flamengo!
A intolerância e a falta de argumentos são os combustíveis para o fracasso!

9 Comentários
Carregando comentários...
Criação de sites e aplicativos para celular