Drible de Corpo: “Outros “Evertons”: relembre jogadores que saíram direto (ou com escalas) do Fla para o São Paulo”

Não é a primeira nem será a última vez que um jogador trocará o Flamengo pelo São Paulo. Com o depósito de R$ 7,5 milhões na conta do Flamengo, referente aos 50% da multa rescisória, Everton repetirá nas próximas horas trajetórias como as de Leônidas da Silva, o Diamante Negro; Leonardo, Alcindo, Júnior Baiano e Reinaldo — alguns nomes que deixaram a Gávea (com ou sem escala) em direção ao Morumbi.

Uma das transações mais badaladas entre os dois clubes envolveu Leônidas da Silva. Em 1942, o rubro-negro assumido entrou para a história como protagonista da transação mais cara da história do futebol sul-americano na época: 200 contos de réis, aproximadamente R$ 200 mil. Como tinha 29 anos, houve quem secasse a transação chamando-a de bonde. O Diamante Negro, que recebeu o crédito de ser o inventor do gol de bicicleta, foi recebido em 10 de abril de 1942 por 10 mil torcedores e carregado até a sede do clube.

Na primeira exibição, lotou o Pacaembu . Há registro de que 70.281 pessoas compareceram ao estádio municipal no empate por 3 x 3 com o Corinthians. Com a camisa tricolor, Leônidas da Silva foi pentacampeão paulista em 1943, 1945, 1946, 1948 e 1949. Quem o considerava Leônidas um bonde viu o craque virar um dos maiores ídolos do São Paulo em todos os tempos.

Em 1990, o São Paulo mandou propôs mandar para o Rio de Janeiro o meia Raí, o zagueiro Adílson e o lateral-esquerdo Nelsinho em troca do promissor Leonardo, que havia sido campeão da Copa União de 1987, e do atacante Alcindo. Leonardo participou de parte da vitoriosa era Telê Santana. Ganhou o Brasileirão de 1991, a Supercopa dos Campeões da Libertadores em 1993, a Recopa Sul-Americana em 1993 e 1994 e o Mundial de Clubes de 1993. Alcindo não vingou no tricolor e foi para o Grêmio.

Na temporada de 1994, o zagueiro Júnior Baiano trocou o Flamengo pelo São Paulo. Sob o comando de Telê Santana, conquistou naquele ano a Recopa Sul-Americana. Formava a linha de zaga com Vitor, Válber e André Luiz. “Quando eu fui contratado pelo São Paulo, ninguém da diretoria me queria. Ofereceram um dinheiro, eu aceitei, e eles diminuíram para eu não ficar. Mas o Telê Santana foi o cara que mais me ajudou, deu moral para fazer as coisas que eu queria. Ele foi o cara que influenciou a minha carreira, o meu segundo pai”, contou recentemente Júnior Baiano em entrevista ao Resenha, da ESPN Brasil.

Em janeiro de 2002, Reinaldo e Adriano foram negociados com a Internazionale. Reinaldo jamais defendeu o clube italiano. Teve ser repassado ao Paris Saint-German. Por sua vez, o clube francês emprestou o atacante ao São Paulo. “No São Paulo foi onde eu aprendi, onde o meu futebol evoluiu. Posso falar que foi uma das melhores fases da minha carreira porque a essência que eu tive, a química que eu tive com a torcida do São Paulo, é um privilégio na minha vida, é uma torcida que eu amo de paixão, que eu respeito. Não ganhei nenhum título de expressão no São Paulo, só fui campeão do Supercampeonato Paulista de 2002, mas a minha passagem no São Paulo, para mim, foi uma das mais importantes da minha carreira”, disse no ano passado em entrevista ao UOL.

Aos 29 anos, Everton é mais um a sair do Flamengo direto para o São Paulo. Campeão brasileiro em 2009, ele deixou o clube depois da conquista para defender o Tigres, do México. Voltou ao rubro-negro em 2009 depois de passar por Botafogo, Suwon Bluewings, da Coreia do Sul, e Atlético-PR. Além do Brasileirão de 2009, ganhou três estaduais (2009, 2014 e 2017). Fora do Flamengo, Everton não faturou troféus relevantes.

Reprodução: Drible de Corpo | Correio Braziliense 

  • Leo Almeida

    Esse estagiario não aprende a conferir o texto antes de publicar.

    • Márcio Lira

      Realmente. Rsrsrs

  • Clesilanny Santos

    o time do flamengo esta se esfarelando, perdemos treinador próximo de jogo importante da libertadores, perdemos jogador que mais corria e se doava em campo (Everton) , não contratamos ninguém para reforçar o time e continuamos ate o momento sem treinador ou seja com um treinador auxiliar do auxiliar que nas primeiras derrota a diretoria vai colocar a culpa, sera que estão esperando sairmos da libertadores para fazer alguma contratação?

  • Bruno Rezende

    Vai com Deus, meu filho, boa sorte no novo desafio profissional com seu salário de 550 mil.
    Para o Mengão, página virada. Sai Everton, entra Vinicius Júnior. Vamos para a próxima.

  • Arthur Toscano

    Caramba, como tem nego viúva do Everton aqui. Amigos o Flamengo não precisa dele, se ele não quer ficar, que saia! Não vamos nos esquecer do bonde da Stella, ou vcs já se esqueceram? Não podemos também esquecer as conquistas, acho que o ciclo dele terminou, bola pra frente, boa sorte pra ele lá, mas não contra o Flamengo kkk

    SRN

  • Buzz Buzzards

    As trocas do Leonardo e do Adriano foram burradas clássicas das gerações passadas.
    No caso do Éverton, vejo como jogada do empresário. Ele investiu em 2014 (nós estávamos quebrados), e agora quer recuperar a grana. E nota-se que ele quer protagonismo, e vê que no Flamengo não terá.
    Não é insubstituível, e, para mim, é hora de manter o VJ no time, e incorporar o Thiago Santos na equipe.

    • Renan Doelinger

      Perfeito. Eu não entendo esse amor que alguns pegaram por ele. O pessoal se apega muito a qualquer jogador, eu só me apego a jogador que desequilibra e é decisivo. Hoje o Flamengo não tem ninguém assim, por mim todos são negociáveis e substituíveis.

  • Ubirahy

    Esqueceram do Flávio Campos, que participou da conquista do título brasileiro de 91, pelo Tricolor.
    Ou seja, O Flamengo vez em quando dá um grande jogador ao São Paulo, em troca de NADA!
    Éverton Cardoso será mais um nesta galeria infame.
    Leonardo (campeão do mundo), Júnior Baiano, Adriano, Leônidas da Silva, Reinaldo e Alcindo (jovens promessas), Fefeu e o excelente goleiro Róger, que foi o eterno reserva de Rogério Ceni. Todos fizeram falta ao Mengão, depois que saíram.