Viu essa? Maestro Júnior desabafa sobre falta de raça no Flamengo: “Não me sinto representado”

Apesar de ter só duas derrotas no ano, os torcedores estão lembrando do elenco rubro-negro como um daqueles que falta a principal característica do Flamengo: a raça. E isso não está restrito à Nação. Maestro Júnior ídolo rubro-negro, durante o evento Flamengo da Nação, na Barra, desabafou sobre a falta de vontade que alguns jogadores tem vestindo o Manto Sagrado.

— Muitas vezes eu não me sinto representado. Ninguém tem o apelido de “Deus da Raça” de graça. Ninguém tem esse apelido de graça. Eu não era um esplendor em técnica, mas o que sobrava muita gente hoje não tem nem o mínimo e que a gente gosta muito de ver. É um desabafo? É um desabafo sim. Sabe porque? Porque eu tenho torcedores dentro de casa […]. Gostaria de ter a receita e fórmula pra passar pra quem tá comandando para que pudessem ter atitudes e comportamentos como nós tivemos. Isso eu tenho certeza. Ninguém cobrou da gente garra, raça e essas coisas pois a gente sabia que sem isso jamais a gente ia chegar. E até os mais técnicos, aqueles que tratavam a bola com habilidade absurda, souberam colocar a parte determinante que honra essa camisa, que é a vontade de vencer, que é a raça, que é a garra. A gente perde, mas a gente vai perder deixando a última gota de suor lá dentro. É isso que eu quero ver desses caras aí.

Veja o vídeo completa no canal MulamboTV ou clicando aqui.

  • Gerson Francisco de Azevedo ne

    Se algum fã do protetor de perebas e sem sangues ver essa matéria vai te matar em Junior !!!! Cuidado !! Era melhor vc ter falado q o dinheiro é bem investido em contratações de raçudos e q os perebas são bons e q o protetor sabe muito d bola e raça além das contas

  • Nicolas Gomes

    Onde é o lugar para assinar?

  • Alcides Costa Neto

    Lá se vão 40 anos e o “capacete” agora “comentarista” cobrando garra ao time do Flamengo e se enaltecendo por demais. O “deus da raça” que foi pra Europa e não vingou. Júnior capacete, menos!… Como jogador foi bom numa galeria de muitos craques. Como treinador, orientou mal às vezes que passou pelo Flamengo. Como comentarista não me diz muita coisa. Prefiro o Caio Ribeiro que é o melhor de todos!…

  • Eduardo Sacramento

    Ele não era um primor de técnica e hj há gente com mais? Não precisa dessa humildade. Vi o Júnior jogar no final de carreira, era craque. O apelido de Maestro em 92 não era à toa.
    Mas entendi o ponto que ele queria chegar, principalmente sendo humilde: tenham raça em primeiro lugar. No Flamengo isso era obrigatório e todo jogador que vinha se identificava com isso. Agora as contratações não possuem o perfil rubro negro. Aqui não é Barcelona, a pressão da torcida é maior, seja por bem, seja por mal.

  • Jonas

    Deus da Raça não era o Rondinelli ou eu estou ficando esclerosado antes do tempo? ou talvez o Júnior kkkk. O Júnior fez mais um desabafo que críticas, porque ele não vê o mesmo empenho em que a geração dele teve, a raça nem era tão necessária assim porque a geração dele sobrava futebol, só os caneludos é que tinham que comer grama e se sobressaírem pelo vigor e não pela maestria da arte.

    • Luiz Antonio Rangel de Abreu J

      Em nenhum momento ele disse ter sido o Deus da Raça. Ele estava falando da geração dele, um time com muita raça. É mesmo tendo gente boa, eles tinham raça. Aí é que c se engana qdo diz q n precisavam ter. Precisa sim, pq é esse pensamento q faz o Everton Ribeiro e o diego parecerem tão preguiçosos.

      • Jonas

        O texto me foi confuso, eu entendi que ele estava se autointitulando.

  • O. JUNIOR

    Grande Júnior o Maestro5. Concordo 100% para vestir essa camisa tem que merecer. Tem que correr até o fim.