João Luis Jr.: “Se o Flamengo fosse o Super Mario, o Campeonato Carioca seria uma fase de bônus”

Não foi exatamente o teste mais complicado do mundo. Como ficou claro durante quase todas as partidas do Flamengo no campeonato estadual desse ano, a situação da equipe rubro-negra diante dos rivais, sejam grandes ou pequenos, vem sendo mais ou menos a mesma de um homem adulto jogando FIFA contra seu primo pequeno, com a diferença de que nenhuma das equipes rivais tentou ainda justificar sua derrota alegando que o joystick estava quebrado ou chamou a própria mãe na sala pra brigar conosco. Mas ainda assim a vitória de 4×0 diante do Madureira, a última partida do time titular antes da primeira partida realmente importante do ano, a estreia na Libertadores contra o River Plate, permite algumas observações interessantes.

Primeiro é a evolução do time dentro do novo esquema 4-1-4-1 de Carpegiani, um esquema que privilegia o talento dos meias, dá espaço para jogadores em ascensão como Paquetá e finalmente tira o Flamengo do famigerado 4-3-3 que começou como solução com Zé Ricardo mas rapidamente se tornou tão previsível que os sites de apostas nem aceitavam mais que você colocasse dinheiro em jogos do nosso time. Aumentamos a criatividade no meio de campo e o volume de jogadas ofensivas? Claro. Mas o esquema segue sem testes contra equipes de qualidade e mesmo contra times mais fracos ficou claro que em dados momentos o único volante fica bastante exposto, principalmente nos contra-ataques, o que contra um equipe mais eficiente pode se tornar fatal.

Depois é a questão dos laterais, que continuam sendo um dos pontos fracos da equipe nesse começo de temporada. Se na direita temos Pará, que é nulo ofensivamente mas defende mais ou menos e Rodinei, que participa mais no ataque porém falha na defesa, na esquerda vivemos basicamente o mesmo dilema com Renê e Trauco, onde um até sabe fazer a cobertura mas só conheceu a linha de fundo através de um documentário da Netflix e o outro é capaz de bons cruzamentos mas consegue ser driblado nos treinos até mesmo pelo lateral Maurinho, que não frequenta os treinos pois já abandonou o futebol e estava trabalhando como auxiliar técnico no Bragantino. Diante das declarações de Rodrigo Caetano de que esses são os atletas da posição para a temporada, só resta torcer para que no atual esquema, que exige menos deles, os laterais não comprometam tanto quanto na temporada passada.

E ainda que exista sim espaço para algumas discussões sobre a escalação de Carpegiani – Vinícius Jr não merece ser titular? Ronaldo não seria uma opção melhor do que Jonas? – a sensação que temos é a de que o Flamengo que enfrentará o River Plate na quarta que vem será o melhor possível dentro do elenco que temos e da escolha tática que o treinador fez. Isso será o bastante pra vencer a tradicional equipe argentina dentro de um Engenhão provavelmente vazio? É complicado saber, já que por enquanto não tivemos nenhuma partida que pudesse ser um termômetro real da qualidade desse time mas sim uma série de jogos-treino com variados níveis de indigência técnica. O que nos resta agora é torcer pra que quando o ano finalmente começar o time consiga vencer com a mesma facilidade com que venceu durante essa longa pré-temporada que vem sendo o Carioca.

Reprodução: ESPN/Blog Isso Aqui é Flamengo

7 Comentários
Carregando comentários...