Fla x Flu? Cada vez mais FLA e menos flu

Caros Rubro Negros,

Sacramentada a contratação de Henrique Dourado me vejo obrigado a fazer uma ponderação sobre a situação do Flamengo em relação aos os outros times do estado do RJ. Afinal, o Fla pôde contratar junto a um de seus ditos “rivais” o único jogador que lá sobrou de real serventia para nosso elenco.

Isso mesmo. Até por que, do elenco de lá que já não era bom e terminou o Brasileiro 2017 brigando para não cair diversos jogadores foram dispensados pela simples falta de capacidade de honrar seus vencimentos, um outro saiu brigado na justiça ( o que certamente vai representar um ônus a mais para eles ) e o último veio para a Gávea ser feliz. Isso para me ater apenas ao Fluminense… se formos falar de Vasco e Botafogo certamente chegaremos a conclusão que ambos vão muito mal das pernas e que estamos sim em um patamar diferenciado em relação a eles.

De certo sou um dos maiores defensores de que precisamos adquirir novos padrões de comparação e assim nos desvincularmos dos outros times do RJ. Cada vez mais largar essa mentalidade tacanha de ser “melhor do RJ”. Devemos mirar objetivos muito maiores. Contudo, depois dessa contratação, olhando para a situação que vivíamos e que poderíamos estar vivendo e olhando ainda para a situação de nossos “vizinhos menos afortunados” não dá pra deixar de comentar. Definitivamente o Flamengo atingiu um patamar diferente fora das 4 linhas. Sem entrar em muitos detalhes, basta lembrar situações lamentáveis que presenciamos, como salários atrasando de forma recorrente, “acabou o dinheiro”, falta de estrutura extrema, “fingem que pagam e finjo que jogo”, salários de 90 dias etc, etc, etc. Isso sem falar no episódio do Thiago Neves, que deixou a Gávea para ir para o Fluminense e deixou a ex presidente humilhada e com cara de tacho. São muitos os episódios do passados que alguns fazem questão de esquecer e que na verdade deixavam a todos envergonhados, sem falar no quão isso era prejudicial para os resultados esportivos…

Nesse momento é claro que alguns vão vociferar e falar que “o que importa são títulos e que os resultados esportivos ainda são ruins“. E de fato os resultados esportivos ainda não são os que gostaríamos. Em especial no ano de 2017, que foi de fato o 1º no qual essa reestruturação trouxe reais condições de termos grandes resultados (afinal foram alguns anos remando e fazendo força para sair da lama em que fomos enfiados). E seja pelo imponderável do futebol, seja por erros de diretoria, a verdade é que o Flamengo ficou devendo em 2017. Bastante.

Contudo, em que pese os resultados em campo ainda estarem aquém do esperado, basta um pouco de sensatez, racionalidade e boa vontade para notar que existe uma diferença brutal de planejamento, estrutura, investimento, condução, etc. O caminho que o Flamengo trilha fora das quatro linhas atualmente é elogiado pela maioria da crítica especializada como sendo algo diferenciado (o que mostra que o futebol aqui é um mundo aparte. Afinal, práticas e conceitos de mercado à décadas no futebol são dignas de espanto e elogios. Mas isso é tema pra outro dia). Esse caminho, cedo ou tarde, nos levará a títulos e glórias de forma consistente ao invés de vivermos de brilharecos aqui e ali seguidos de muitos perrengues.

E atenção: essa coluna está longe de ser “uma ode ao Bandeira” ou qualquer coisa parecida. Primeiro que, qualquer um que acompanhe minimamente as minhas colunas vai saber que eu sempre trato o Bandeira como uma parte de um grupo que fez muito bem ao Flamengo e que, infelizmente, se separou no meio do caminho. E segundo que, mesmo sendo parte do grupo que de fato mudou os rumos do Fla e que nos trouxe os elementos que certamente nos levarão ao sucesso, essa diretoria erra. E erra mais do que deveria em alguns momentos, como falando mais do que deve, só para ficar em um exemplo. Mas, a César o que é de César.

Apesar de ainda termos um longo caminho a trilhar, em especial no que tange a construção de um estádio próprio e todas as vantagens que isso nos trará, é notório que o Flamengo caminhou muito nesses últimos anos. Se tivéssemos permanecido nos rumos que trilhamos por cerca de 20 anos tenho a convicção que estaríamos em um estado de penúria lamentável. Nem são Judas Tadeu daria conta de tantos problemas. Contudo, inegavelmente estamos em outro patamar e, seguindo esse caminho, veremos muito mais “FLA” e menos flu,vasco,bota e outros. Quem viver, verá.

Opine, elogie, critique…Participe!! E se você ainda não é Sócio-Torcedor… Faça o seu imediatamente!!! O seu maior benefício é ver um Flamengo cada vez mais forte!!

Luiz Henrique Amorim

Curiosidade: Mídia anti. Quando o Ceifador estava em negociação com o Corinthians ele era uma excelente opção, ótimo jogador, seria uma grande contratação. Agora que vem para o Flamengo é uma aposta, jogador de uma temporada, etc. Curioso isso não é?

Pixotada: Bandidos fantasiados de torcedores. Parabéns a todos os envolvidos. Graças a bandidos fantasiados de torcedores, que mais uma vez protagonizaram cenas lamentáveis, dessa vez na final da Sul Americana o Flamengo vai jogar suas 2 primeiras partidas em casa pela Libertadores sem torcida. A perda financeira é enorme e a perda esportiva incomensurável. Parabéns mesmo aos brigões, baderneiros, penetras, invasores, encrenqueiros. A cada passo que o Flamengo dá pra frente vocês tentam fazer o clube dar dois passos para trás.

Pixotada: EBM com um microfone na mão. É impressionante como nosso presidente fala algumas coisas que simplesmente não deveria falar. Mesmo tendo sido em tom de brincadeira e descontração. É munição para os antis e até mesmo para os corneteiros de plantão. Não aprendeu nada com o “ano mágico” e com o “cheirinho”???

Sobre a coluna anterior: É isso ai. O Ceifador está longe de ser a contratação dos sonhos. Mas longe de ser motivo de faniquitos, como pude ver em algumas redes sociais. Agora nos resta torcer para que ele dê certo e faça muitos gols com a camisa do Fla!

34 Comentários
Carregando comentários...
Criação de sites e aplicativos para celular