Identidade rubro-negra

Os grandes clubes internacionais têm evoluído no sentido de apresentar um padrão de jogo característico da agremiação, uma “identidade”.

Não por acaso, quando se imagina o Barcelona jogando, é esperado do time muita posse de bola, um alto percentual de passes certos e a procura incessante pelo gol.

O Bayern de Munique há um bom tempo, tem apresentado uma equipe com apurado empenho físico, jogadores que usam muito os flancos do campo e um centroavante mortal.

As perspectivas para o futebol já estão determinadas, de modo que a escolha dos treinadores, passa sem dúvida pelo entendimento do que é treinar estas equipes e o que é esperado para o time. Observem que “entra jogador e sai jogador”, mas, a proposta tem sido basicamente a mesma. Inclusive as divisões de base destes clubes adotam ideias semelhantes, assim quando um atleta vai ao profissional, já está aclimatado com a visão geral do treinador.

É logico que nada é completamente engessado, vão ocorrer adaptações associadas às determinações do técnicas e também as características do plantel constituído para a temporada.

No Brasil, quem mais se aproxima de possuir uma identidade é o Corinthians pelo que tem apresentando nos últimos dez anos. É notório um esquema tático com uma defesa bastante sólida, bem protegida pelo meio-campo optam, em geral, por uma marcação já no campo do adversário, atacam muitas vezes em bloco e usam bem os contra-ataques. Assim tem superado inclusive a carência financeira para investir em atletas de alto nível.

Diante do cenário exposto, qual a identidade do Flamengo? Penso que um time aguerrido, que procura manter a posse de bola, pressionar o adversário exaustivamente e muito agressivo no ataque. Essa identidade ficou na década de 80, infelizmente não superou aquela geração, mas, é esse perfil que ficou na memória do torcedor e ele procura a cada temporada.

Acredito que a escolha do Carpegiani foi bastante acertada, temos bons jogadores no elenco e estes carecem de entender o que é jogar no Flamengo. Espero que atletas como Diego, Everton Ribeiro, Arão, Guerrero, dentre outros tenham a cobrança merecida para que possam render o esperado diante da qualidade que possuem.

Seja bem-vindo Carpegiani, SRN!

Maurício Dias

  • Gabriel Flanático

    Que qualidade que a porcaria do Guerrero tem?

  • Paulo Silva

    Só que estes times só conseguem porque contratam os nossos e os melhores jogadores do planeta, assim fica fácil. E manter um padrão com Pará e Arão, que não consegue dar um pass.

  • Damon

    Futebol mudou muito de 80 pra cá. Antes os jogadores tinham mais liberdade , a técnica prevalecia , hoje é muito do físico , da retranca , hoje os pontas voltam pra acompanhar o lateral adversário. Futebol brasileiro hoje está feio de se vê. Hoje no Brasil não tem mais o futebol bonito de se vê. Acho que o último time que jogou um futebol bonito foi o Santos de 2010 com Neymar , Ganso , Robinho e André.

    • cateto33

      Antes disso só o Botafogo do Zé Roberto, Jorge Henrique, Lúcio Flávio e Dodô.

      Mas achei que o Flamengo de 2016 jogou bonito várias partidas.

      • cateto33

        O Grêmio de 2017 foi um time bonito de se ver. Muita intensidade, rodava o meio campo. E de vez em quando contava com a qualidade do Luan pra finalizar

  • Nós também temos identidade. Os chuveirinhos, as finalizações peculiares dos nossos pontas, as ligações diretas dos zagueiros, as avenidas, além das defesas para o lado direito e é claro, nosso ponto de pivô.

    • Nielson campos bastos

      Esqueceu
      *Dos laterais craques que so joga pra tras e pro lado.
      *Do craque arao que 80% dos jogos se esconde nas laterais do campo isso qd pior ele nao entra em campo ja durmindo.
      *Diego cabelo de gel que da varias assistencia por jogo ne.
      *Everton fabricamente de motores que jogo no ataque onde msm?
      E faz varios gols por jogo.
      E tem ainda alguns que diz que o mancu sem alma e sem sangue e bom de bola putz.
      SRN

    • kingDavid

      Resumindo, o time arame liso que não sente derrotas. Imagine como esses caras treinam, não devem sequer assanhar o cabelo!

      • Eduardo Ferreira

        Por isso que quando o Rueda chegou com uma preparação física “a vera” a galera começou a chorar !! Bando de corpos moles!!

  • Douglas

    Eu penso que o clube deveria fazer um grande trabalho para encontrar sua própria identidade. Imagino que um bom caminho seria fazer um estudo de todos os times que o Flamengo teve e buscar as características marcantes que mais agradaram. Depois disso que seja implantado um sistema de observação de treinadores. Sim de treinadores, para ter sempre no radar um treinador que trabalhe com equipes que mais se aproximem do perfil que o clube defina. Nos últimos anos o Flamengo teve muitos técnicos e vários deles divergem em suas propostas de jogo, assim é impossível manter uma identidade.

  • Douglas

    Vale ressaltar também um grande erro que o Flamengo cometeu nos últimos anos que foi querer implantar uma formação tática imutável. Formação essa baseada no Barcelona do Guardiola, mas hoje nem o Barcelona nem o Guardiola no Manchester City utilizam mais essa formação e nem por isso perderam sua identidade ou proposta de jogo.

  • Carlos Eugênio Abreu Camargo

    Futebol é uma caixinha de surpresas.Quem garante que a permanência do Rueda,faria com que o Flamengo fizesse uma grande campanha na Libertadores???
    Quem garante que o Flamengo de Carpeggiani não fará uma grande campanha na Libertadores???
    Planejamento é uma palavra muito na moda em futebol, só que planejamento em futebol não garante nada,nada mesmo.
    Se assim fosse,o Corinthians não teria sido campeão do último campeonato brasileiro.
    Podemos e devemos esperar tudo!!!

  • Damon

    Pra criar uma identidade a primeira coisa a fazer é contratar pessoas competentes.
    Depois foi o que eu falei antes , contrata um técnico experiente e sobe o técnico do sub-20 para ser auxiliar.
    Quando o técnico sair o auxiliar assume como técnico dando continuidade ao trabalho e sobe o técnico do sub-20 pra ser seu auxiliar e por aí em diante , sempre subindo o técnico da categoria sub-20 em primeiro momento como auxiliar mas com intuito de ser o técnico futuramente.
    O Corinthians deu certo em partes pq com o Tite era um , mas quando o Tite saiu e vieram outros técnicos como C. Borges e Oswaldo de Oliveira , não mantiveram o mesmo estilo.
    Só quando o até então auxiliar Carille assumiu que voltou ao padrão Tite.

  • Adriano Gomes

    Existe indentidade no Flamengo. O que não existe são jogadores para fazer as funções com competência, inclusive no departamento de futebol que tem muitos profissionais ruins.
    Por exemplo, vice presidente de futebol que nunca trabalhou com futebol, um gerente de futebol que nunca trabalhou na função – apesar do Mozer ter sido um baita zagueiro -, comissão técnica com profissionais fracos ou inexperientes , por exemplo ex treinador de goleiros que manda os goleiros fazerem o que o coração manda etc etc etc etc

    Os três pilares: raça, amor, paixão. Independentemente de o jogador ser craque ou não.

    • kingDavid

      O estilo de jogo mudou muito desde 81, e muda constantemente conforme chega um novo técnico. Não houve um esforço para manter uma filosofia desde a base. A identidade tática foi perdida ao longo dos anos, embora ainda persistisse o espírito de luta. Infelizmente a gestão atual acabou com a mistica da Raça, Amor e Paixão, o que vemos hoje é conformismo e proteção, que se reflete num futebol burocratico rotulado de “arame liso”. Um time que não sente derrotas.

  • Paulo Ricardo Colares

    Esqueceu de dizer que no corinthias, ainda existe a marcação de um bandeirinha avançado e um juiz roubando pelo meio, só ganham assim.

    • kingDavid

      Eles só começaram a ganhar quando os paulistas dominaram a CBF. Quero ver como se sairão agora sem Marin e Del Nero.

  • kingDavid

    Excelente, há tempos esperava por esse assunto. O Barcelona atual muito se assemelha ao estilo de jogo do Flamengo de 81, o verdadeiro inventor do Tiki-Taka. E ninguém melhor que Carpegiani para resgatar nosso estilo mais vencedor. Tomara que ele consiga, pois depende demais da vontade dos jogadores e paciência da torcida. O Flamenguista não consegue ser feliz com o estilo defensivo do Corinthians, não basta ganhar de 1×0, tem que jogar bonito e dominar o adversário. Creio que a ideia é implantar essa filosofia desde a base, Carpegiani poderia fazer isso no futuro, quando virar coordenador técnico.

  • Felipe

    Anderson Martins fechou com o São Paulo, menos um.

    • Willahelm

      tinha multa contra o Flamengo