De Primeira: “Rueda dizia não ter proposta, mas auxiliares já tinham entregado casa no RJ”

Reinaldo Rueda negou o quanto pôde suas negociações com a seleção do Chile. Em contato com dirigentes do clube e na chegada ao Rio de Janeiro, na manhã da última segunda (8), se esquivava e dizia não ter nada resolvido para deixar o Flamengo. A prática, no entanto, se mostrava bem diferente do discurso. Enquanto o treinador tentava despistar as evidências, seus auxiliares já sabiam da decisão de deixar o Rio de Janeiro. Tanto que, no último fim de semana, tão logo chegaram à cidade, Bernardo Redín e Carlos Velasco finalizaram pendências e entregaram as respectivas casas em que moravam.

Paralelamente a isso, agilizavam questões burocráticas. Tudo definido para que o “Mister”, como chamam o chefe, chegasse na segunda-feira e batesse o martelo. A saída já estava resolvida. Menos para a diretoria do Flamengo, que acreditou na palavra de Reinaldo Rueda até o início da noite de segunda. Ao fim do dia, a decisão que já era sabida por Redín e Velasco se tornou pública. Com a mudança resolvida, o trio trabalhará na seleção do Chile.

Argentina não ganha todas na Conmebol

Uma regra que favoreceria os argentinos na Libertadores 2018 foi retirada do regulamento de licenças da Conmebol, a cartilha que os clubes terão que seguir para poder participar dos torneios da entidade. Na primeira versão, do início de 2017, a confederação havia estipulado que os países com o calendário de futebol de janeiro a dezembro estariam sujeitos ao regulamento para a Libertadores-18, mas aqueles com as datas espelhadas à Europa, de agosto a maio do ano seguinte, só deveriam passar a obedecer as regras na Libertadores-2019.

Fonte: De Primeira/Uol

42 Comentários
Carregando comentários...