Não sou bandido

Eu não sou bandido, e 99% dos que vão ler isso também não são…

Eu estava lá. Acordei mais cedo que de costume, já que não conseguia dormir direito esperando aquele momento, fui trabalhar e as horas demoraram a passar, finalmente quando chegou a hora de sair, vesti o manto sagrado e parti para o Maracanã, para aquela que deveria ter sido a noite mais mágica dos últimos anos. Não foi bem assim…

Entrei cedo no estádio, encontrei alguns amigos, todos na mesma vibe, no mesmo sentimento, era para ser especial. Dentro do estádio, a atmosfera foi mágica, fazia tempo que não via a torcida daquele jeito, os sinalizadores acesos, bandeirão descendo, mosaico, cantos…

Lembrei um pouco da torcida de antigamente, naquele momento éramos mais um em campo, aquela sim era a magnética, a torcida que sempre se notabilizou pelos shows na arquibancada, a torcida que virou patrimônio cultural do Rio de Janeiro, a Nação Rubro-negra, que cantava, se emocionava, dava show.

Ali dentro, naquele momento, não tinha separação de cor, credo, classe e nem de caráter. Eram todos rubro-negros, em um só objetivo. Talvez aí esteja o grande segredo. Ali dentro eram todos “Rubro-negros”. Desde o mais honesto, trabalhador, humilde, pacífico, ao mais marginal, baderneiro, vândalo.

A camisa que se veste não identifica se você é vítima ou bandido. Não ali. Não naquele momento.

Ao final do jogo, triste com o resultado, sai rapidamente já antevendo a barbárie que aconteceria. E ali começa a história mal contada que virou verdade. Não estou tentando tapar o sol com peneira ou questionar o que aconteceu, mas questionar a generalização da torcida do Flamengo como uma torcida de bandidos.

Eu não sou bandido. Paguei caro pelo meu ingresso. No meio do despreparo dos que deveriam me proteger, fui atingido por spray de pimenta e tive que correr em meio a tiros de bala de borracha para chegar ao meio de transporte que necessitava para sair daquela confusão.

E eu não era o único, em meio a mais de 70 mil pessoas, 2 ou 3% estavam ali para fazer daquele local uma praça de guerra, já a gigantesca maioria, que estava com sua família só queria torcer. Me deparei com pais protegendo seus filhos de bombas jogadas para o alto e do spray de pimenta que era lançado indiscriminadamente para todos os lados.

Vi marginais jogando garrafas de vidro para o alto, quando tentava me abrigar em um lugar seguro. Assim como aquelas cenas lamentáveis que depois vimos pela televisão me fizeram sentir vergonha e repulsa daqueles que vestiam a camisa rubro-negra fazendo aquela selvageria.

Existem ônus e bônus de ser uma torcida tão gigantesca. A pluralidade de seus integrantes é obviamente uma delas. Para ser rubro-negro não existem restrições à cor, à religião, à classe social e infelizmente também ao caráter. O bandido vai continuar sendo bandido, mesmo que torça para o Flamengo.

Mas eles não são maioria. E nem podem representar uma torcida tão gigantesca como a do Flamengo.

Eu não sou bandido. Todos os rubro-negros que conheço também não são. Aqueles não nos representam. E nós, os rubro-negros de bem sentimos vergonha daqueles que “barbarizaram” naquela noite.

E não vou ficar calado enquanto todos nos rotulam. Vou soltar a voz ao vento. Torcendo para que alguém ouça e faça coro. Torcendo para que as autoridades identifiquem e punam os marginais responsáveis por cada ato de violência ou vandalismo.

É isso que espero. Como cidadão, como vítima, como rubro-negro e como um pai que quer ter a coragem de voltar a levar seu filho ao Maracanã.

#SomosTodosMenosAlguns

SRN!

Jerônimo Simeão Júnior

Comente no Twitter usando a #ColunaDoJJ Concorda ou Discorda? Comente, cornete e se gostar Divulgue! Ah! e se quiser saber mais sobre o Mengão segue lá no Twitter @JeronimoSJunior! É Mengão 24 horas por dia!

  • Fábio Souza

    Muitos dos que fizeram merda quarta também não se consideram bandidos, mas parece que dada circunstância são capazes de ferir, roubar e até matar o próximo.

    • DieGOD

      “A ocasião faz o ladrão”

      • Nelson Neves Cardoso

        Ridículo!!!

  • Alan Silveira

    Parece a minha descrição daquele dia. Só q eu era um dos pais com meu filho de 6 anos. Correndo com os olhos e vias aéreas ardendo no caos, ambos! Está sendo difícil explicar pra ele o q aconteceu.
    Esses bichos fizeram com q o jogo perdido fosse o de menos, qdo na verdade era a única decepção aceitável naquele dia. Aproveitando para sinalizar outros acontecimentos de indignação…
    – Os ingressos não tinha se esgotado. Vc q é sócio torcedor deve ter se sentido ridículo com o anúncio do peixe urbano, principalmente depois de ter passado o dia inteiro olhando o site congestionado;
    – A diretoria banca os marginais, o ST coorporativo é a mesma metodologia utilizada pelos nossos políticos, muda-se o nome para a baderna continuar;
    – promoção de cerveja? Se vc não se importa em bebê-la quente e nem q ela acabe antes do fim do 1° tempo, td bem;
    – Alguém aqui não sabia q mais ou menos às 21h haveria invasão? Nos mesmos portões q há em td jogo?
    Por favor… Não me venham com esse discurso da saúde financeira do clube. Isso não serve de desculpas aos outros erros. O futuro prometido por eles já chegou! O Flamengo JÁ tem maiores condições q os outros clubes do país.
    Solução? Sim! A diretoria disse q vai avaliar se manda alguns jogos fora do Rio! Não é brincadeira!
    Esperemos 2018. Q ela mostre a mesma ousadia q nos assuntos financeiros.

  • Gleu Costa

    Acredito que esse texto nos representa. Parabéns

  • Dion Lima

    Eu não sou bandido paguei os meus ingressos as minhas passagens de avião com o meu dinheiro do meu trabalho.
    e faria tudo de novo para ve o Flamengo jogar!
    Por isso eu exijo respeito com a torcida do Flamengo.
    rede globo me respeita, nos respeita e se respeita!

    • marcondes

      a globo, pq se foi a torcida que fez o que fez.

  • Douglas Galvão

    Jerônimo, mais uma vez você nos brinda com um texto digno de todos os elogios!

    A mídia, principalmente a paulista, está fazendo de tudo pra prejudicar o Flamengo desde anos atrás, com a intenção de promover os times paulistas(Corinthians e Palmeiras), visando que eles tenham mais torcida que o Flamengo e, estão “usando” este fato com muita ênfase que os torcedores “sem noção” e os maus torcedores deram a eles “de bandeja” ao causar essa baderna.
    Os jorpaulistas estão repetindo em todos os programas que o Flamengo deve ser punido com suspensão de participação nas Copas Continentais da CONMEBOL e acredito que a punição ao Guerrero tambem foi um meio que usaram para enfraquecer o já desfalcado time do Flamengo e, assim nos fizesse tambem perder o título da Copa sulamericana.
    A reportagem exibida no Fantástico sobre o ocorrido foi intencional para dar mais base para que o Flamengo tenha uma punição até mais grave. São uns FDPs esses jornalistas “arco-iris”!!

    • Jerônimo Simeão Júnior

      Obrigado Douglas! Estão tentando rotular a nossa torcida. Não podemos aceitar!!!