Home Colunas Aquilo que o rubro-negro quer

Aquilo que o rubro-negro quer

527
10
SHARE
Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Depois do jogo de quarta-feira eu tenho certeza que as esperanças de título cresceram para todo mundo, nem que tenha sido só um pouquinho. Para os mais empolgados, o título já é realidade, para os mais equilibrados o título deve vir se jogarmos todos os jogos assim e para os mais céticos se um milagre acontecer e o Flamengo jogar com essa raça e vontade todas as partidas a Sul-americana pode vir a ser nossa.

A questão é a seguinte: todo rubro negro apaixonado quase teve um infarto assistindo o clássico. Mas também se sentiu muito bem quando Arão empatou e teve um grande alívio quando o juiz apitou. Mesmo aqueles que acreditam que a Sul-americana não vale nada ficaram contentes com o fim da partida. Não pela apresentação de um futebol fantástico, mas sim pela disposição e garra mostrada até o fim.

E é isso que a gente quer. Queremos suor, sangue, vibração e comemoração dentro das quatro linhas. O Flamengo pede por isso. O Flamengo é isso. E com o elenco que a gente tem se continuarmos nos cedendo dessa maneira em campo a capacidade técnica e as habilidades dos jogadores vão transparecer facilmente.

Eles precisam de confiança, de maturidade e de persistência porque com um técnico capaz e com muito treino tático esse time ainda pode dar bons frutos. O passo inicial para isso era justamente a vontade de vencer e o fim do conformismo com a derrota.

Fala sério, aquela aceitação pós-derrota dá raiva. Quando ouvimos “o adversário jogou muito bem” ou “o resultado foi justo” da vontade de entrar na TV, invadir o gramado ou a coletiva e dar uns tapas na cara do sujeito para ver se acorda para a realidade.

Flamengo é grande demais para se contentar com pouco. Vai se contentar com derrota? Nem pensar. Mas enfim, é claro que ainda precisamos de mais transparência da diretoria sobre contratações, barca no final do ano, departamento medico e jogadores contundidos, profissionais encarregados de áreas polêmicas como psicologia, gerencia de futebol, treinamento de goleiros etc.

Falta muita coisa para ficarmos satisfeitos e empolgados de verdade com o ano de 2018. Um ano que muitos ainda acreditam que será um fracasso afinal terá a mesma gestão. Resta é acreditar e ter muita esperança. Torcer para que o jogo de quarta tenha um sido um primeiro passo bem dado. Para que pelo menos os jogadores continuem demonstrando essa vontade e essa gana de vencer. Já é um começo, já consigo enxergar um caminho.

E sobre levantar esse caneco… vamos lutar, Flamengo! Desde 1999 não trazemos para casa um titulo internacional. Estamos acumulando vexames e mais vexames lá fora e nosso nome está sendo manchado. Precisamos nos impor novamente, ir adquirindo mais respeito e mostrar para os argentinos e companhia que aqui é Flamengo. E não se esqueçam: a premiação da sula é maior que a do Brasileiro, esse dinheiro é importante para o planejamento do ano que vem.

Mas é claro que eu preferia ganhar o titulo nacional de maior expressão e não vou me contentar e dizer que o título salvou o ano. Jamais! Estamos e continuaremos insatisfeitos com o ano de 2017 que prometia muito e pouco alcançou. Mas a relevância dessa taça não pode ser descartada. É um titulo importante sim e que pode simbolizar a volta do nosso Flamengo guerreiro e vencedor.

CH Filho.

Comentarios

comentário

  • Gardner

    Que volte o nosso flamengo a ser gigante no mundo !

    • Ednei P. de Melo

      Time grande? Sim! Mas gigante? Não é (no máximo se destaca em meio a um monte de clubes medianos aqui no Brasil). Gigantes mesmo só lá na Europa e o dia em que tanto a direção quanto a torcida se conscientizarem disso e deixarem de ser megalomaníacos, o Flamengo certamente poderá chegar lá um dia… &;-D

      • Johann Schreiber

        Por mais que eu não acredite nesse papo furado de maior torcida do mundo ou coisas do tipo, os times da Europa não eram melhores que o Flamengo e os outros times grandes sulamericanos antes dos anos 90, então por essa lógica, não existiam gigantes no futebol na época, já que você diz que o Flamengo nunca foi um? Ou você só considera times bilionários gigantes? Seriam Manchester Sh!tty e PSG gigantes então?

        • Ednei P. de Melo

          Disse bem: antes dos anos 90 (e concordo com você). Mas para os requistos de gigantes dos tempos atuais, além de títulos o clubes deveriam ter uma infraestrutura de respeito, finanças em dia, estádio próprio, poder aquisitivo… &;-D

      • Gardner

        Vc so pode ser vascaíno. …
        Ou então vive em outro planeta…

  • Juan Oliveira

    Só para avisar, Flamengo perdeu quase 10 mil e deixou de ter novos sócios. Uns 2 meses atrás estava com 110mil, agora está com 101.

    • Ednei P. de Melo

      Vai ver, é culpa do Zé Ricardo e do Márcio Araújo! &;-D

  • Ricardo Freitas

    Escutar,”o adversário jogou bem,o resultado foi justo,nossos jogadores cumpriram o combinado”,entre outras coisas era doloroso mesmo….

  • Ednei P. de Melo

    “Mas é claro que eu preferia ganhar o titulo nacional de maior expressão e não vou me contentar e dizer que o título salvou o ano. Jamais! Estamos e continuaremos insatisfeitos com o ano de 2017 que prometia muito e pouco alcançou. Mas a relevância dessa taça não pode ser descartada. É um titulo importante sim e que pode simbolizar a volta do nosso Flamengo guerreiro e vencedor.” — ??? &;-D

  • Flavio

    Eu entendo o ponto que ele quer tocar. Mas sinceramente, eu trocava boa parte disso aí por um bom futebol, um time que jogasse bem e que garra e etc foi o algo mais. De todos os jogos perdidos no brasileiro, a garra, vibração e etc eu não sei se faltou, mas tenho uma certeza, faltou futebol e continua faltando..