O que acontece com Vizeu?

Felipe Vizeu foi do “céu ao inferno em um ano”. A esta altura, em 2016, fazia gols e era xodó da torcida, que cobrava o então técnico Zé Ricardo para que o deixasse como reserva de Paolo Guerrero. Porém, um ano depois, a situação é inversa. O centroavante faz uma temporada muito abaixo da expectativa e convive com o banco de reservas. Para efeito de comparação, temporada passada, marcou oito gols (cinco no Campeonato Brasileiro e três no Campeonato Carioca) em 26 jogos. Em 2017, com o mesmo número de partidas, balançou as redes apenas quatro vezes (duas no Carioca, uma no Brasileiro e Copa Sul-Americana).

Mas, o que está por trás desta queda tão grande de rendimento? É difícil explicar em um só motivo. Um conjunto de fatos, segundo o globoesporte.com, pode ajudar a entender o que está acontecendo com o garoto.

Para isso, é necessário voltar no tempo. No início do ano, trocou de empresário. Abandonou a empresa Brazil Football e acertou com a OTB Sports. Logo na mudança, conseguiu uma valorização: passou a receber 10 vezes mais do que ganhava (de R$6 mil para R$60 mil).

Pouco tempo depois, defendeu a Seleção Brasileira no Sul-Americano sub-20. A campanha foi um fiasco e o time não se classificou para o Mundial da categoria. Mas, Vizeu foi bem, marcando quatro gols. Na volta ao Flamengo, pediu um aumento salarial. A atitude irritou a diretoria, que havia acabado de valorizar o camisa 47. Por isso, perdeu espaço na equipe. Prova disso foi que durante a Libertadores, não entrou em nenhuma peleja.

Mesmo começando a entrar em má fase, o centroavante despertava o interesse de clubes europeus. Com apenas 20 anos e um porte físico invejável para atletas da sua idade, Vizeu sempre era especulado pela imprensa europeia como possível reforço de Benfica-POR, Sporting-POR e Atlético de Madrid-ESP. No entanto, estas propostas nunca chegaram ao Mais Querido. A única recebida, e rejeitada, foi da Ponte Preta.

A chance de recuperar o espaço perdido se deu com a saída de Leandro Damião e a chegada de Reinaldo Rueda. Contudo, o perfil de Lucas Paquetá chamou atenção do colombiano. O meia tem atitudes mais maduras e demonstra mais vontade do que Vizeu. Isso foi determinante para que o treinador optasse por improvisar Paquetá como “camisa 9”.


Veja mais:


O centroavante teve a chance de se redimir contra o Vasco, no último final de semana. No segundo tempo, quando entrou no lugar do camisa 39, recebeu um cruzamento sozinho no segundo pau. Se fizesse o gol, se consagrava. Mas, cabeceou mal e “recuou” a bola para Martín Silva.

Talvez nenhum lance simbolize tanto a temporada de Vizeu do que este.

Comentarios

comentário











Ver mais notícias