Home Colunas Coluna do Torcedor Coluna do Torcedor: “Para que serve um bom elenco?!”

Coluna do Torcedor: “Para que serve um bom elenco?!”

641
13
SHARE

Essa parece ser uma pergunta fácil de responder, mas parece que jornalistas, comentaristas e grande parte da torcida esqueceram a resposta, depois que o Flamengo perdeu na última rodada para o Botafogo, o que mostra que muitos fazem suas análises em cima de resultados, e não em cima de um contesto em que o clube está vivendo.

Ter um bom elenco significa que um clube tem jogadores para todas as posições, tanto para jogarem como titulares, quanto para entrar durante os jogos, seja por substituição, seja por conta de suspensão ou lesão do titular, mantendo sempre um nível igual ou próximo do companheiro, assim o time não perde rendimento com a troca feita. E ter um bom elenco se faz necessário ainda mais em terras tupiniquins, onde existe um calendário extremamente insano, com várias competições acontecendo ao mesmo tempo, o que diminui o tempo de recuperação dos atletas entre um jogo e outro, fazendo com que haja queda de performance dos mesmos. Um bom exemplo disso é o Corinthians que já começa a sentir a queda de rendimento de seus principais jogadores, e por ter um elenco muito limitado, não consegue ter um reserva a altura (exemplo: Kazim reserva do Jô), consequentemente, o time que fez uma excelente campanha no primeiro turno, faz uma pífia campanha no segundo turno, onde estaria no Z4, se fosse contado apenas os pontos conquistados nos últimos 4 jogos.

Tendo feito um prévio resumo do que é ter um bom elenco e por que ele se faz necessário, é preciso analisar o contexto do Flamengo, principalmente no mês de setembro. O Flamengo nesse mês tem jogos por três competições diferentes, tendo prioridades de disputas primeiro pela Copa do Brasil logicamente, por ter agora apenas 1 jogo para fazer, e a segunda prioridade seria a Sul-Americana, uma competição onde o Flamengo precisa fazer uma boa campanha, já que a mesma serviria de “cursinho” para a Libertadores, no qual o Flamengo nas últimas edições em que participou passou apenas VERGONHA e também daria um tempo para recuperar e treinar os titulares de uma semana entre uma partida e outra, sendo assim, o Campeonato Brasileiro parece ficar meio de lado, ainda mais por conta da grande vantagem que o Corinthians construiu, apenas “parece”, já que contra por exemplo o Atlético-PR, mesmo depois de dar indícios de que colocaria um time reserva, o RUEDA colocou todo o time titular depois que o Corinthians tinha jogado e perdido no sábado (um dia antes, e não 1 hora antes como foi nesse domingo) para o Atlético Goianiense.

É muito fácil criticar, ainda mais depois de um resultado péssimo como foi o de domingo, porém vale lembrar que dos jogadores que atuaram, 3 deles (Cuellar, Rodinei e Guerrero) são titulares, 3 deles (Diego Alves, Rodolfo e Everton Ribeiro) só não são titulares por que não podem jogar a Copa do Brasil e 2 deles (Vaz e Trauco) até alguns dias eram titulares, e se melhorar na parte defensiva, com certeza o peruano vai voltar a ser titular, pois é um bom jogador e apoia muito bem no ataque, ou seja, dos 11 que jogaram, apenas três são considerados “reservas” (Rômulo, Geuvânio e Mateus Savio), e no papel, o time que jogou domingo brigaria por G-6 no Brasileirão e não fica muito atrás do time considerado TITULAR que joga a Copa do Brasil.

Mas então, o que faltou para o Flamengo ganhar a partida ou pelo menos fazer uma partida melhor? … A resposta parece ser mais simples que a pergunta, a falta de chutes no gol e o conformismo dos ditos “reservas”. E esses dois motivos não se limita ao time reserva, mas também ao time titular.

O primeiro motivo, como mencionado é a falta de chutes do Flamengo ao gol. Contra o Cruzeiro pelo primeiro jogo da Copa do Brasil, apenas 2 chutes (que me lembro) no gol do Fábio, um do Diego de fora da área e outro do Berrío na entrada da área bem fraquinho, de resto apenas cruzamentos e mais cruzamentos. Contra o Botafogo a mesma coisa, poucos chutes, e várias tentativas de cruzamento durante toda a partida, uma infeliz herança do futebol apresentado ainda dos tempos de Zé Ricardo. É preciso nesse caso que o TREINADOR cobre mais chutes dos seus jogadores, que possa trabalhar mais jogadas pelo meio, com Guerrero fazendo o pivô, jogadas de infiltrações, tabelas e toques rápidos.

O segundo motivo, esse relacionado a DIRETORIA, é a falta de cobrança em cima dos jogadores por um desempenho melhor durante os jogos. Eduardo Bandeira de Mello é um excelente administrador, mas seus anos vividos em empresas públicas o fez esquecer como cobrar um melhor desempenho de seus funcionários, de demitir, e ainda por cima, não delega essa atividade a outros profissionais, como Rodrigo Caetano e Mozer, e quando estes vão cobrar dos jogadores, como Rodrigo Caetano fez após falhas cometidas pelo VAZ no jogo contra o Santos pela Copa do Brasil, o presidente da uma infeliz entrevista posteriormente falando que tem protegidos no elenco, entre eles VAZ e Muralha que falharam nesse jogo. Hoje parece que os jogadores pouco se importam em demonstrar raça e vontade, características essas fundamentais a um jogador que atua pelo Flamengo, pois sabem que nada os aconteceram, que terá seus salários recebidos no final do mês e que o presidente ou outro dirigente iram protegê-los das críticas. Para esse problema, faz se necessário a contratação imediata de um Vice de futebol, e que tanto Rodrigo Caetano quanto Mozer tenham autonomia e a obrigação de cobrar um rendimento melhor dos jogadores do Flamengo (por exemplo Rômulo e Geuvânio que tiveram outra oportunidade e não jogaram absolutamente nada domingo, e até hoje não mostraram a que vieram), fazer uma análise de scouts, rendimento e performance seria, avaliando as atuações dos jogadores durante as partida e não uma análise superficial como por exemplo, pegar o índice de aproveitamento dos passes do Márcio Araújo (sempre ele) e constatar que o mesmo tem um bom rendimento nesse fundamento, mas esquecendo ou não analisando que todos esses passes são para traz ou para o lado, prejudicando a equipe durante os contra ataques (quando a bola cai no pé dele) ou a ter uma saída de bola mais rápida e com qualidade, pois sabe-se que o mesmo se esconde entre os atacantes para não ser uma opção de jogada. Assim quando terminar o Brasileirão, dispensas podem ser feitas e contratações pontuais realizadas.

Resumindo, o RUEDA deve sim priorizar a Copa do Brasil e a Sul-Americana, utilizando a última para dar ritmo e entrosamento ao time titular, enquanto no Brasileirão, pelo menos nesse mês de setembro, seria utilizado para dar ritmo aos jogadores reservas, motivação e principalmente, analisar com quem pode ou não contar para o restante da temporada e pro ano que vem, basta que os jogadores sejam cobrados e entre em campo com comprometimento, vontade e possa dar o seu melhor para trazer o resultado positivo para o Mengão. Apenas algumas mudanças poderiam ser feitas, a troca do VAZ que falhou nos dois gols domingo (sempre falhando durante os jogos) pelo Léo Duarte, e colocar o MANCUELLO de segundo volante ao lado do Rômulo, para ver se o argentino rende por ali, e possa ser uma opção de substituição ao Arão, pois o mesmo tem um bom passe, chuta muito bem, e poderia ser utilizado com mais frequência. E por fim, pelo menos durante as oitavas da Sul-Americana, utilizar o goleiro que será titular no jogo de volta contra o Cruzeiro. Então ficaria assim:

  • Copa do Brasil e Sul-Americana (oitavas): Thiago, Pará, Rever, Juan, Rene, Cuéllar, Arão, Berrío, Diego, Everton Cardoso e Guerrero.
  • Brasileirão: Diego Alves, Rodinei, Léo Duarte, Rodolfo, Trauco, Rômulo, Mancuello, Everton Ribeiro, Geuvânio, Matheus Sávio/ Vinícius Júnior, Vizeu/ Paquetá.

    E você, se fosse técnico do Flamengo, o que faria:

  • Colocaria o time titular em todos os jogos, podendo ter a contusão de um jogador para a grande final contra o Cruzeiro ou fazer com que os jogadores tenham desgastes físicos e musculares que o façam perder performance;
  • Ou faria a rodagem do elenco como o Rueda fez, mantendo todos os jogadores com ritmo de jogo, com tempo adequado de descanso (evitando fadiga muscular e queda de rendimento), e o mais importante, motivados e dando oportunidades para que todos possam atuar e mostrar o seu futebol, para que a partir de outubro, a meritocracia possa ser essencial para a escalação dos jogadores, já que sobraria apenas o Brasileirão e Sul-Americana, e todos poderão atuar em ambas as competições.

    Deixe sua opinião.

    THIAGO NOBRE.


Quer ver sua coluna aqui no site? Envie para o e-mail redacao@colunadoflamengo.com que avaliaremos ela

Comentarios

comentário

  • Leandro

    Rodar o elenco é necessário. Porém, isso tem de ser feito com mais cuidado. A mescla de reservas, com os caras que não podem jogar a CB mais ex-titulares que são ruins (VAZ) ou estão em má fase (Trauco) resultou em um time desfigurado e completamente sem entrosamento. Pior ainda que a escolha para a rodagem foi feita contra o maior rival atualmente e que estava cheio de fome de ganhar da gente.
    Era jogo de 6 pontos. Pelo menos o Juan ou o Rever deveriam ter jogado na zaga ao lado do Rodolfo. E o Everton deveria ter jogado no lugar do Matheus Savio que ainda é muito inconstante.
    Não deveria ter voltado com Savio, Geovanio e Romulo para o segundo tempo.
    Esperou tomar o primeiro gol pra primeira substituição e tomar o segundo pra fazer as outras duas substituições.
    Enfim, Rueda mandou muito mal. O desempenho dele nesse jogo foi semelhante a alguns do Zé Ricardo nos nossos piores jogos do ano.

  • Douglas

    Concordo que se deve rodar o elenco. Mas isso não se faz em um jogo dessa importância. Era um clássico estadual e confronto direto pelo G6. Enquanto o Flamengo não ganhar a Copa do Brasil ou a Sulamericana o Brasileirão continua sendo prioridade porque precisamos voltar à libertadores.

    As próximas rodadas serão contra adversários mais fracos, porque não poupar nesses jogos? Além disso o Rueda não só colocou reservas como colocou reservas dos reservas como o Mateus Sávio, Rômulo e Rafael Vaz que parecem serem as últimas opções para suas posições.

    E do jeito que o colunista colocou parece que o time não consegue fazer três jogos seguidos porque senão arrebenta todo mundo, o que não é verdade principalmente depois de duas semanas só de treinos.

  • Douglas

    Diego Alves – Rodinei, Rodolfo, Juan, Trauco – Cuellar, William Arão – Everton Ribeiro, Diego, Vinícius Júnior – Guerrero. Esse seria um time misto mas encorpado, com cinco jogadores que não jogaram quarta feira e outros dois que não jogaram os 90 minutos.

    De qualquer forma, o Rueda continua com crédito e não pode ser queimado por esse jogo, apenas se ponderar que foi sim uma escolha errada em um momento errado.

    • Fernando Rizzo Fonseca Lima

      Espero que tenha sido só um erro e pontual e que não se cometa novamente. Algumas probabilidades para Liberta : CB = 50% , Sula : 6,25% e BR-17, se mantiver pontuação para G¨é pelo menos mais 30 pontos sendo que as últimas rodadas é só pedreira, então é pontuar agora, contra Avai, Sport, Vitória na última rodada

  • Haroldo

    Concordo plenamente com as ponderações da análise.
    Só tenho ressalva quanto à opção pelo Rômulo no brasileirão. É um péssimo marcador neste momento. Só fica fazendo faltas na meia. Podem me tacar pedras, mas se for para fazer o revezamento na forma proposta neste mês de setembro, prefiro utilizar o MA no revezamento do que ele.
    Depois de setembro, com o fim da Copa do Brasil, creio que um revezamento tão radical talvez não seja necessário.

  • Sergio Fabri

    Questões a se destacar. Guerrero chegou no meado de 2015 ok Brasileiro 2015 estava longe perdoável por não ganhar mas depois disso quantos campeonato esse senhor disputou e que nem a 1° liga campeonato de verão ele foi lá e decidiu pro fla? um cara que pelo investimento que fez e pelo alto salário que lhe ofereceu era ao menos ter classificado o fla pra fase das oitavas na liberta ou seja na minha opinião está entre os maiores fiasco de contratações do fla até aqui. Caso ganhe uma sul americana e a copa br ele guerrero sendo decisivo e dando o título pro fla posso mudar um pouco o discurso mas ainda com saldo negativo no fla. O cara tem mais gols, quantidade nos 2 carioquinhas que disputou e chega jogos pra valer cade o jogador de 1 milhão? esse é um ponto o outro é esse grande elenco que falam do fla. Realmente pela realidade do futebol brasileiro um bom elenco, salários em dia, jogadores caros que recebem bem,flamengo com melhora na sua estrutura e jogar no fla é o ápice de qualquer jogador ai eu pergunto: o que explica o time já estar fora da disputa do br eliminado precocemente na liberta e ver jogos pífios principalmente quando pega time de elite quando o time fraqueja? o que explica isso? o que mais entristece é ver o limitado corinthians na liderança com folga e o fla sofrendo pra ficar entre os 6 do Brasileirão; alguma coisa tem de errado aí e a explicação parece ser: jogadores acomodados no seu dia á dia de trabalho e nos jogos. Nìtido ver durante as partidas.; parece um time de salto alto que parece que cozinha o jogo e acha que vai ganhar a qualquer momento. Amigo se não correr esquece; Vivem reclamando de falta, ajeitando cabelo, tomando mais cartão que se dedicando nas partidas. Resumindo: um time apático nas partidas!!!

  • Joao lucas Lima

    “Se Rueda vier vamos deixar o cara trabalhar. Vamos pensar em títulos só ano que vem.”

    Realidade:
    “Técnico medíocre, como ousa testar jogadores nessa altura do campeonato.”

    Resumindo o que outro torcedor disse !! SÓ falou a verdade !!

    • Nivaldo Lima

      Pelo jeito seria melhor o Flamengo ir para a série D,Com uma equipe de Júniores e vim entrosando o time até chegar a Série A.cada torcedor tem um time que gostaria de ver em campo.esse time de hoje é para amanhã.O melhor e deixar o Técnico trabalhar.

      • Joao lucas Lima

        Claro, cada pessoa quer um time diferente. Ainda não podemos cobrar muito firme dele. Eu quero um time vencedor, não importa quem esteja em campo.

  • Nikola Nobre

    Repartição pública Flamengo. Os jogadores têm salários altos e pagamento garantido no final do mês. Recebem de qualquer forma, perdendo ou ganhando, mostrando vontade de ganhar ou não. Produtividade não influencia no salário. É proibidio se falar em meritocracia: jogam os apadrinhados do chefe Bandeira e do empresário Carlos Leite. Os jogadores recebem salário mesmo que nunca joguem, como Gabriel, Mancuello, Rômulo e outros. O chefe Bundeira é um boa praça, dá tapinha nas costas dos jogadores, tira fotos com eles e põe na internet. O chefe Bundeira também é acumulador de carogs, Presidente e Vice de Futebol ao mesmo tempo, e não quer largar o osso. Sem cobrança, os jogadores tão nem aí. Tanto faz perder ou ganhar, saem rindo de campo. Pra que suar a camisa, se esforçar pra quê? A repartição pública Flamengo é um paraíso para os sugadores do dinheiro do clube, os preguiçosos jogadores. E ainda tem os empregados apadrinhados pelo chefe: Mozer, que nada faz, tem nome e respaldo; tem os incompetentes Jaime e Victor Hugo, mas são acobertados pela diretoria. Esse Flamengo é uma verdadeira repartição pública.

    • Cara
      Eu não tiraria nada desse teu texto
      Concordo com tudo
      E digo mais: Todo ano seguinte será o ano das conquistas, segundo esses.
      pqp

  • Drunken_Master

    Tirando algumas peças. O elenco do Flamengo é medíocre pra baixo, a qualidade de alguns deixa a enganar torcedores, que nem pra compor elenco servem. Alex, Araújo, Gabriel, Vaz, Rômulo, Rodinei, Pará, Trauco, Vizeu, Rene, Mancuello se encaixam bem nisso, nem menciono o Conca, porque ainda está nulo nas partidas que fez. Ainda tem os que são enigmas, sejam por fundamentos básicos (Bérrio) ou oscilação do psicológico (Arão, Rever, Geuvânio, Everton), e até por falta de experiência (Thiago, Vinicius, Paquetá, Léo). Diego, Ribeiro, Guerrero, Juan, Cuellar, Rodolfo, Diego Alves deste últimos não chamo de excelência, porque sozinhos não resolvem e parece que a fase não os ajuda. O elenco do Flamengo possui ótimas peças que são poucas. Mas parte dele, pra composição parece que foi feito nas coxas, devido a gerenciamento de futebol mal planejado, falta de visão dos técnicos por insistência em algumas peças que possuem deficiências técnicas, ou de profissionais que não suprem a melhora de alguns jogadores em campo, ver o gol e comprometem no geral o aproveitamento da equipe em campo. Lembrando que o técnico anterior teve tempo suficiente pra ver isso, junto a um auxiliar ultrapassado que fez umas escolhas bem ruins como peças no clube com comparações aberrativas. Infelizmente como disseram, se a torcida quer ser imediatista. Sabendo que o novo técnico vem de fora com uma outra cultura, no meio da turbulência com várias competições na conta, sem muito tempo pra treinar com a herança maldita deixada. Fica surreal a pressão da torcida, mas logo logo exijam papai Joel que está por aí jogado num canto, que fica tudo ok. Pois projeto e planejamento ao Mengão que seja jogado aos ventos mesmo por obrigação.

  • Marlus Soares

    “Contesto’ é dose de se ler, senhor escritor…