Uma Carta ao Presidente

Caro Presidente,

Começo essa carta pedindo a devida vênia pela intromissão, mas como torcedor Flamenguista, sinto-me no direito de trazer em minhas linhas a percepção de quem fez o Flamengo ser o que é. Mais que isso, sinto-me no dever de trazer minha percepção, já que considero o Flamengo uma força que existe por conta do futebol e sua torcida.

Entendo que não deva ser fácil presidir um Clube como o Flamengo. Uma torcida quase tão populosa quanto nossa vizinha Argentina, com mais “devotos” do que a população do Canadá. Exige organização, preparo, competência e um bocado de equilíbrio e sangue frio.

Independente do momento de crise, devo ser sincero e admitir que o Senhor reúne algumas dessas características e algumas outras tantas. Mesmo assim, o compromisso com a verdade também não me impede de indicar que algumas, muitas vezes menos técnicas, acabam faltando ao Senhor com certa frequência.

A docilidade e a paciência de nossa torcida desde sua eleição me comovem. E comovem de maneira sincera, apesar da ponderação que o tempo me trouxe aos poucos, nunca acreditei em nossa redenção institucional e financeira por dois motivos: a ausência de gente séria e comprometida somada ao imediatismo da Nação por resultados.

Encontramos gente séria e comprometida, viria o segundo desafio. A sorte nos sorriu ainda em nosso primeiro ano, mas aceitamos nossa sorte e nossa sina em busca da redenção que nos traria de volta o protagonismo além da camisa, do nome e da torcida.

Pouquíssimos momentos de crise, contratações cada vez melhores e mais empolgantes, mas seguíamos na espera por resultados. Nessa espera, fizemos vista grossa para cada erro de planejamento ou escolha questionável, valia confiar. Na verdade, Presidente, ainda vale, mas é preciso mais.

Comemoramos balanços e faturamentos como se fossem taças, aceitamos nossa realidade de reestruturação e abraçamos a causa. Advogamos em nome do Clube e também – de maneira quase inédita e muito ampla – sua diretoria.

Entenda, Senhor Presidente, estou falando de torcedor comum apoiando. Não estou falando de influenciadores digitais ou qualquer tipo de pessoa direta ou indiretamente ligada à política do Clube.

Também sou capaz de compreender certa falta de traquejo de sua parte, o Senhor não foi forjado em um período de crises, mas deveria estar preparado para isso. É compreensível que a pressão por resultados lhe tire o sono. Afinal, até pouco tempo atrás, sua luta era pelo posto de, quem sabe, melhor Presidente de nossa história.

Acontece que independente dos resultados obtidos a partir de agora, os resultados esportivos não devem alcançar o mesmo brilhantismo que vimos na parte administrativa.

Ocorre também que a torcida foi capaz de compreender e suportar muita coisa por muito tempo. Relevamos alguns erros cometidos e também seus deslizes quando pressionado, mas precisamos de mais e precisamos agora. Estamos em seu quinto ano de gestão e não conseguimos digerir uma Copa do Brasil em nosso primeiro ano como resultado do remédio amargo que, junto com o Senhor, resolvemos tomar.

Não clamo por demagogia ou qualquer tipo de absurdo. Não vim aqui para gritar pela volta da irresponsabilidade. Vim pedir respeito, Senhor Presidente. Respeito com o torcedor, com nossa história à beira do campo, seguindo o Flamengo a todo lado no Brasil e no Mundo. Vim pedir respeito e equilíbrio!

Devo dizer também que stá lhe faltando equilíbrio, Presidente. Não se xinga torcedor! Mais que isso, é de uma ingenuidade incompatível com sua biografia, acreditar que um gesto para um torcedor em meio à multidão possa ser interpretado de maneira correta.

Por fim, pelo menos nesse momento, está lhe faltando um pouco de humildade. Reconhecer os erros e delegar funções a quem é capacitado para desempenhá-las é característica básica de qualquer grande gestor. Se a escolha de Godinho pra VP de Futebol parecia um erro, a insistência do Senhor no acúmulo da função é algo ainda pior.

Respeite o torcedor, Presidente. Não politize nossa insatisfação. Ainda que qualquer um saiba como a política do Clube pode desestabilizar o equilíbrio das coisas, o Senhor também sabe que nossa insatisfação não tem nada a ver com a cor de uma chapa ou de outra.

Seus problemas pessoais com alguns jornalistas ou veículos são problemas do Senhor e apenas do Senhor. Ainda que respeite sua chateação, entenda isso como o ônus de sua posição atual.

Queremos o Flamengo forte e vencedor, queremos a chegada do prometido Ano Mágico, adiado ano após ano, enquanto sofremos apoiando. Queremos uma posição de protagonismo. É chegada a hora, é passada a hora da colheita.

Lembre-se de como era ser torcedor e talvez consiga perceber novamente que nós somos o Flamengo. Por isso, merecemos tanto respeito.

A diferença entre um Presidente e um Estadista se vê na diferença como ambos reagem nos momentos de crise. Reflita, delegue, desculpe-se e resgate-se. Assim, posso garantir que a história Rubro-Negra guardará o nome do Senhor em bom lugar.

Saudações Rubro-Negras

Thigu Soares
Twitter: @thigusoares

53 Comentários
Carregando comentários...