Página inicial Colunas Coluna do Torcedor: “Falhou a comunicação dos russos”

Coluna do Torcedor: “Falhou a comunicação dos russos”

4825
27
COMPARTILHAR

Quantas partidas de futebol podem existir dentro de noventa minutos de um jogo? Qualquer rubro-negro que se lembre da partida de 2009 contra o Goiás no maracanã ou o jogo contra o Corinthians em 2016 no mesmo, sutilmente tremeu durante o primeiro tempo da partida desta noite de quarta-feira.

Um primeiro tempo onde, quem possui essas memórias com passadas festas e mosaicos, quem viveu a festa de papai Joel e a ressaca de Cabañas, não afirmaria que foi incomum o primeiro tempo de ontem, a festa maravilhosa na arquibancada misturada com a apresentação do time até aquele momento, eram ingredientes perfeitos para que voltasse à tona o verbo “flamengar”.

O intervalo do jogo não durou as mesmas 48 horas por minuto que antecederam as vésperas da partida; passou em um piscar de olhos, só não foi tão rápido quanto à velocidade em que o jogo se tornou uma partida completamente diferente.

Zé Ricardo nesses 14 segundos de intervalo entre os tempos, fez oito substituições no time sem gastar nenhuma das duas alterações que ainda poderia fazer, tirou Diego, que não havia entrado em campo, e colocou o Zic… Diego; dentro outras mudanças tirando um jogador e colocando o mesmo. Muitos dizem que camisa não ganha jogo, mas camisa faz gol, e Diego se deixou levar pelo número 10 que carregava em suas costas como uma tatuagem impregnada, homogênea à sua pele e transformou aquele time que vestia vermelho e preto no Clube de Regatas do Flamengo.

Não demorou muito para uma terceira partida se fazer presente naquele Maracanã lotado, terceira partida que sem dúvida fez os torcedores rivais roerem as unhas, seja na Argentina ou no Vaticano; Trauco, bem longe de seu lado esquerdo, praticamente como um jogador de meio-campo, acertou um canudo do meio da rua, com um nojo digno de Deco em suas melhores épocas pelo Barcelona.

Diego ainda buscando carimbar seu crachá de dono do espetáculo, cruzou uma bola um tanto despretensiosa num escanteio, bola essa que se tornou perigosa após a ajeitada crucial de Berrío, e letal após a cabeçada do, até então, criticado Rômulo, que pouco tempo depois sairia para a entrada do ainda mais rejeitado Marcio Araújo; mas engana-se quem pensa que essa foi a principal substituição feita pelo time no jogo, foi outra alteração que transformou tudo na quarta e última partida de futebol que aconteceu alí.

Gabriel… Nome de anjo, bíblico, nome também que define a reta final daqueles 90 minutos; como não associar o seu golaço com uma obra retirada dos mais sagrados versículos, pintura essa que passou a régua e deu números finais ao jogo. Se existem palavras que definem tamanho espetáculo em forma de gol, eu desconheço, foi humildemente monumental, foi bíblico; seguindo a mesma vertente, pouco me importa que Guerrero, atacante que eu pedi a Deus, perdeu o pênalti, apenas o lance que ocasionou o mesmo já pagaria o ingresso dos quase 70 mil presentes, sem dúvida que a renda da partida paga o tratamento de artrose que Gabriel fez o zagueiro argentino adquirir, nunca vi tão entortado!

No primeiro cenário que a partida se propôs, tinha tudo pra a festa se tornar ressaca, mas falharam na hora de avisar os “russos” (argentinos), e o “flamengar” errou de data e local naquela rodada, passou longe e foi parar na noite anterior em Curitiba, para atazanar o outro rubro-negro brasileiro do grupo 4 da libertadores; no fim de tudo, as várias partidas que aconteceram no Maracanã terminaram com um resultado, quatro a zero, fora o baile, pra empolgar qualquer torcedor nessa libertadores, mas não irei perguntar “se alguém sabe o preço das passagens para o Emirados Árabes em dezembro”, até porque ainda faltam mais 13 jogos para atingirmos o topo da América, mas cá entre nós, o Urubu já sobrevoa aterrorizante os pesadelos de cada jogador e torcedor do Bayern de Munique!

Nick Marques


Quer ver seu texto também publicado na Coluna do Torcedor? Envie para redacao@colunadoflamengo e aguarde nossa resposta!


A coluna acima é de responsabilidade de seu autor e não reflete necessariamente a mentalidade do Coluna do Flamengo.

Comente pelo Facebook

  • Thiago Diniz

    Gostei do texto, entendi que a ideia era algo mais pro lado da poesia. Soou um pouco ufanista mas gostei. Valeu Nick, da minha parte pode enviar mais textos.

    Esse espaço da Coluna é bem legal, abrir espaço para os leitores publicarem é um gesto de humildade e atenciosidade.

    SRN

    • Nick Marques

      hahahahaha brigado cara, segundo que eu mando só essa semana, o último coluna que entrou tbm é meum se eu não me engano “obrigação é dignidade”, eu venho me sentindo bem pra escrever esses dias, e quando eu percebo que são textos que podem agregar de alguma forma eu mando…

      • frederico seidel

        Como faço para escrever e o texto ser postado no Coluna?

        • Nick Marques

          tem um email lá em cima

  • Vinicios Mendes

    Faça uns textos mais simples mano, tem pessoas que podem não entender (eu antes de ler a 22° vez, por exemplo.).

    • Nick Marques

      eu escrevi outra aqui no coluna mais simples que esse, na verdade a intenção desse texto era ser desse jeito, tinha esse propósito também

  • Rogeria Gomes Bruno Cardozo

    Parabéns pelo texto. Refletiu exatamente nossas visões e sentimentos no jogo.

  • Rafael Oliveira

    Só uma coisa me preocupa, o preço das passagens pra Dubai. Está muito caro, provavelmente já considerando que em Dezembro terá aumento nas vendas devido a compra em massa pela torcida do Mengão.

  • Glauber

    Parabéns.
    Mt bem o texto..

  • Renata

    Bom dia,galera!Vamos participar do grupo do Mengão SOU DA NAÇÃO!Basta chamar no whatsapp que adiciono(21-973888601)SRN!!!

  • KeuFla

    Belo texto! quem não conseguiu entender é porque é ruim de interpretação e não conhece os fracassos que sofremos dentro do maraca.

    • Nick Marques

      hahahahahahha agradeço o elogio, e concordo com o comentário, vexames tristes

  • Gostei da resenha, muito bem escrita.

    • Nick Marques

      obrigado, de verdade

  • Madruguinha

    Já pode substituir o Vinny Dunga.

    • Nick Marques

      hahahahahahahahaha acho que pode ter espaço pra todo mundo hahahahaha

  • Dieki

    gostei do texto também. Foram equipes distintas, realmente.

  • ALCEU FERREIRA JR

    Fala Brother. Parabéns!!!
    Mandou bem!!! Gostei da resenha. Continue nessa batida que vc irá longe.
    SRN

  • mtakh

    Vexames,fracassos, podem serem usados como aprendizagem, aperfeiçoamento. Podemos ter uma história diferente, não somos mais,um clube folclórica, como a era Joel Santana,Kléber Leite,Márcio Braga.Nem um time falido, gastando o que não tinha,como a era Patty.Hoje temos prestígio, confiança, dinheiro, estrutura, pagamento em dia.Fora o profissionalismo dos jogadores escolhidos,não existe um jogador acima do Flamengo, antes existiam (Zico nunca fez isso).A cada ano estaremos melhor.

  • Fred Cabral

    Tá cheio de analfabeto funcional criticando. Belo texto, amigo!

    • Nick Marques

      hehehehehehe

  • Daniel Silva

    BACANA INOVADOR

    • Nick Marques

      pior que não cara, pelo contrário, tentei escrever de um jeito mais antigo que se usa pouco ultimamente

      • Daniel Silva

        inovação aqui rsrs eu percebi seu estilo poético, analogias bíblicas

  • Luciano Pereira

    Gostei do seu texto meu caro!

    • Nick Marques

      obrigado, fico feliz que a maioria tenha gostado

  • Pablo Wax

    Quero mandar meu texto pra redação mas não consigo aqui diz que o email destinatário é inválido, alguém me ajude