Página inicial Colunas Anderson Alves O mistério da base Rubro-negra

O mistério da base Rubro-negra

3738
85
COMPARTILHAR

Existe um mal que paira no ar quando o assunto é base e revelação de novos jogadores pelo Flamengo. Existem inúmeras opiniões a respeito do assunto. No fundo, como em todos os outros assuntos, nessas horas todos têm sua defesa predileta e se tornam experts no assunto. O campo é amplo e até entre os que crêem ferrenhamente que o Flamengo erra muito com suas crias, não há unanimidade. Muitas pessoas apresentam soluções das mais variadas possíveis. Vamos olhar de outro ponto de vista?

Gostaria de convidá-los a fazer um exercício reflexivo no que tange o assunto Base. Para pavimentar essas reflexões é preciso soltar uns dados bastante interessantes. Para vocês quais são os maiores formadores/vendedores do futebol nacional? Pegando a temporada 15/16 como exemplo, vamos encontrar o São Paulo com Boschilia, Tolói, Jonathan Cafú; Corinthians com Cassini, Malcolm; Atlético Mineiro com Jemerson; Fluminense com Gerson e Kenedy; Santos com Gabriel.

Aqui nós fazemos uma pausa e pensamos bem. Cadê o Inter? Frequentemente, temos na lembrança um imaginário de times formadores. Inter, Santos, São Paulo… Nos últimos tempos Fluminense, talvez. A verdade é que na prática não é bem assim. E aqui deixo claro que estamos analizando a base pela venda de jogadores (Até porque se não vende o jogador é porque talvez não o tenha formado tão bem assim). No passado vimos o Inter vender Giuliano, Oscar, Nilmar, Sandro, Taison. São Paulo vender Lucas, Brenno, Miranda, Kaká. Santos com Neymar, Diego, Robinho, Gabriel. E assim criou-se em nossa memória que os clubes são magníficos, tudo funciona por lá e por isso a base é maravilhosa, recheada e rentável. De novo, não é bem assim.

Uma das coisas que tenho visto funcionar e que me parece bastante importante é a campanha. Se o time não faz boa campanha, esconderá o bom jogador. Ao mesmo tempo, se o time faz boa campanha, colocará na vitrine o médio e pereba. Como disse o Rodrigo no Resenha: “- Vocês acham que o Jemerson é melhor que o Samir?” Mas o Galo foi vice-campeão o ano passado e isso coloca um grupo na vitrine. Voltemos ao internacional. Vocês acham que não há bons jogadores nesse time que briga para não cair? Claro que há. Esse Willian, da lateral esquerda é muito bom, mas fica escondido lá e não será vendido, como estivemos acostumados a ver o Inter negociar. Talvez até saia, mas não será por um bom valor.

Um dos maiores argumentos que escutamos por aí é a questão da paciência da torcida com o prata da casa. E o exemplo disso é o Santos. Jogador vacila na Vila Belmiro e continua. Joga várias partidas. Evolui. Também acho isto fundamental. Mas vamos pegar a lupa e ver mais de perto. Este ano o Peixe vendeu o Gabriel. Só. No ano anterior Victor Andrade. De 2010-2013 o Santos vendeu pelo menos uns 12 jogadores, nem todos da base. Todos negociados através do efeito Neymar. Claro. Como já falado, os títulos acompanharam estes anos de Peixe. Foi uma Copa do Brasil, uma Libertadores e uma Recopa. O bastante para alavancar a venda de muitos jogadores. Mas o que há antes disto? Antes disto há a geração de Diego e Robinho que terminou em 2004. Ou seja, existe um hiato que perdurou seis anos. E o que tudo isto quer dizer? Quer dizer que o Santos pagou com ostracismo sua política de uso da base. Pode parecer um curto tempo olhando daqui, já que o hiato entre Diego e Robinho é pequeno para Neymar e Ganso, mas o que dizer de antes do que isso? Em 98 houve um pequeno brilhareco num torneio ridículo e antes disso só com Pelé.

Muitos vão dizer, mas e o Cruzeiro com aquele Bicampeonato? Nenhum jogador que foi vendido era da base. E o Inter com D’alessandro, Aranguiz e cia? Dois estrangeiros? Neca de base. Corinthians e o esquartejamento Chinês, só os citados acima. A verdade é que vivemos numa época em que o jogador acaba se transferindo e virando o que deveria ser no outro time. Renato Augusto é um bom exemplo. Era um meia interessante no Flamengo, foi para a Alemanha e não vingou, veio para o Corinthians e arrebentou. Já pararam pra pensar que o Leverkusen não teve paciência com ele? O torcedor é assim. Sempre vê o copo meio vazio.

Então tá tudo maravilhoso e a gente tem que sentar e aplaudir como está? Freia o carro! Não é isso. Não é o que estou falando e agora vou expor o que penso. Na verdade já escrevi aqui numa outra coluna. Defendo a criação de um time B para o Flamengo. Esse negócio de emprestar jogador para a Luverdense não dá certo. Alguém sabe como está o Baggio? Se ele estivesse por aqui (num clube do Rio), todos saberíamos. A verdade é que temos jogadores demais no elenco, tanto da base como os “profissionais” (Me nego a pensar que MA é profissional). Talvez não precisasse algo tão formal como Flamengo B, talvez mandasse os nossos jogadores da base que não têm chance no time de cima para o Bangu, ou Campo Grande, Madureira. Tem que ser um time com o qual o Flamengo faça uma parceria e esse time comece a galgar o cenário estadual e nacional. Para podermos ver os jogos dos nossos pratas da casa na série B, quem sabe na A. O fato é que hoje, não há espaço para muitos pratas da casa.

O modelo precisa ser discutido, mas como já disse, com Donatti, Rever, Vaz e Léo Duarte, Dumas não jogará tão cedo. Ao invés de ir para a Índia, poderia estar aqui mais perto com um campeonato mais próximo do profissional. Mugni, Thomás, Ennes, Trindade, Fernando e muitos outros. É um desperdício o Baggio estar no Luverdense. Alguém tem notícia daquele Lucas, o outro Centroavante da base? Essa é a jogada. Informação. Com esses garotos aqui perto saberemos se tem um que nos serve para ontem e já podemos mandar buscar.

Mas e o salário? Não falo nada do Mugni, mas do restante não né? O Salário de todos juntos não deve dar o do Sheik. O prejuízo é maior se continuar como está. E o carioca e o time reserva que vai jogar em 2017? Tenho cá minhas reservas. Acho improvável a Globo querer sustentar o carioca sem o Flamengo. É certo que eles vão voltar atrás, seja por grana, seja por uma conciliação. Mesmo assim o nosso elenco de pratas da casa ainda é muito grande e daria para dividir. Até porque o time B não precisa, e não deve, ter 100% de jogadores do Flamengo, afinal também precisamos garimpar promessas desse próprio time B.

E você? O que acha da ideia? Tem que jogar com pratas da casa no time titular direto? Tem que fazer time B? Tem que ganhar títulos? Qual o Flamengo que você quer ver?

Obs: As perguntas são retóricas. Sabemos que Lucas rescindiu contrato, assim como sabemos o destino de outros, mas o texto visa provocar essa dúvida mesmo. O que aconteceu com aquele jogador?

Anderson Alves, O otimista
Twitter: Anderson Alves

Comente pelo Facebook

  • FILIPE DA ROCHA MOTTA

    Para que utilizar a base ,nos temos grande jogadores como MA ,Chiquitita ,Sheik ,Gabriel ,Cirino ,entre outros grandes jogadores .Tomara que todos eles renovem com o Mengão .

  • Wagner Alves

    A questão não é venda, a questão é aproveitamento. Todos esses times aí tem vários jogadores da base atuando, no Flamengo isso não acontece e sabemos que o interesse dos empresários é que ditam as regras no clube.

    Flamengo já era a muito tempo pra ter formado um segundo time, temos muitos jogadores que só treinam, recebem pra fazer número e nada mais.

  • Fellipe Costa

    O Flamengo deveria fazer o que o santos fez, um time B, só pros garotos da base até 23 anos passou disso e não rendeu rescinde contrato ou empresta pra outros clubes do país.

  • Léo Faria

    O time B é uma boa mas isso não é o maior problema.
    O Flamengo precisa parar de montar times de base para ganhar títulos, tem que formar jogadores. O corinthians é o maior vencedor da copa são Paulo e não revela nem perto do santos. Tem que mudar as prioridades.
    O time do Flamengo que venceu a copinha é muito mais ou menos, serão poucos os aproveitados.
    A base do clube não pode ser mensurada, como fez a coluna, pelo número de vendas mas pelos jogadores formados. O Santos só vendeu o gabigol mas tem o Zeca, Vitor Bueno, Tiago maia,… Contra o Flamengo no primeiro turno mais da metade do time era da base.
    A torcida também tem sua parcela de culpa. Basta um cara jogar uns três ou quatro jogos bem e já dizem que é craque ( olha o Vizeu) e se jogar uns jogos mal já não serve pra nada.
    A mudança tem que ser de filosofia.

    • Evandro Caldeira

      Ronaldo, Thiago Santos, Adryan e Vizeu já eram para estarem fazendo esse rodízio que o Zé vem fazendo com, Fernandinho, Gabriel, Sheike, Cirino, Alan Preguiça, e Everton! Já fui jogador de futebol no sertão, era um zagueiro de 1,85 quando fiz minha estreia aos 17 anos na 2° divisão do Alagoano, me colocavam aos poucos, treinava com o time principal sempre enfrentando jogadores do ASA, CRB e CSA, fui ganhando experiência, confiança e forte preparo físico e psicológico, os jogos eram sempre as 15:45, depois de 1 ano eu já era titular absoluto, joguei até os 21 anos e preferi trabalhar, pois a 20 anos atrás era difícil fazer teste nos times da capital ou sair para outro qualquer, outra válvula de escape era Sergipe e Confiança, mas ambos são ainda piores e pobres eu tinha potencial para fazer sucesso em qualquer time do Brasil, mas a imaturidade e falta de olheiros não realizei meu sonho, mas a receita é trabalhar, treinar e se for um zagueiro, tem que ver onde o cara do profissional é fraco, se for um volante, busca ser um grande marcador, se for um atacante, treina finalização, deve estar bem fisicamente, pois quando entrar, tem que deixar de ser menino e se tornar HOMEM, guerreiro e jogar com vontade, qualidade e calma! Muito simples! Basta jogar fácil! Jogar futebol hoje é fácil, vc tem tempo para dominar, levantar a cabeça e fazer, passe, lançamento, cruzamento e a jogada tranquilo! Agora esses gurys são tudo frochos! Até aqui só vi Vizeu, Adryan, Thiago e Léo; Paquetá, Ronaldo e Matheus Sávio devem dar sangue, jogar com garra, vontade e personalidade, pois ta na hora de buscarem seus espaços, não importa quem é titular!

      • silasT

        Desde quando o Viseu não faz parte?, vez em quando joga sim.

        • Evandro Caldeira

          Falei que só vi o Vizeu, Adryan, Thiago Santos e Léo Duarte foi quem se mostrou prontos pro mengão, os outros citados ainda precisam ter personalidade e mostrar futebol como homem! Ter atitudes e isso nos treinos vc aprende e põe em prática no campo! Agora se conformam em ser reservas! Tem que jogar duro, firme, sério e impedir que os titulares ganhem facinho nas disputas em treinos! Futebol é assim, Vizeu e Thiago Santos trabalha firme e está no caminho certo! Deve dar pouco trabalho aos zagueiros Réver e Vaz nos treinos kkkkkkkkkk

    • Anderson

      Salvo engano todos subiram esse ano, correto? Então, eles ainda estão na lista para serem vendidos. Terminando a temporada serão. Ao menos dois. Os que forem ficando é porque não são lá uma grande formação… Um outro ponto é que é o Santos. O time arrecada muito pouco e, mesmo com apenas promessas na folha de pagamento, gasta 102% da arrecadação com o futebol. Por isso nunca consegue segurar um jogador. Fez das tripas coração para ficar com o Neymar e ainda estão pagando por isso.

  • Esse post pecou muito na análise. Distorce a realidade com o argumento de que a venda é um parâmetro privilegiado. Não é nada disso.

    O aproveitamento dos atletas no time é que deve ser o parâmetro principal. E nisso estamos atrás de muito clubes brasileiros. Ponto.

    Outra coisa fundamental: no Flamengo, por causa da pressão da torcida, existe uma preocupação exagerada em lançar jovens jogadores. Na Gávea a palavra de ordem é “não podemos queimar etapas”. Besteira.

    Ora pipocas, por que nos outros clubes os atletas estreiam com 18, 19 anos e até vão pra seleção principal (Gabriel Jesus) e o Flamengo o jogador com 21 anos é considerado imaturo?

    Esse é o mistério que eu queria entender.

    • André N Lessa

      Almir, complementando dados que faltaram:
      O Santos ainda vendeu o Alan Patrick e o Felipe Anderson;
      O Inter vendeu muita gente ao longo dos últimos 10 anos;
      O Fluminense não só vendeu bem vários jogadores ao longo dos últimos 10 anos como também consegue colocar, em média, uns 3 jogadores todos os anos no time principal.
      Resumindo. é como você disse, como é que não conseguimos colocar ninguém no time titular?
      Se não jogar no time titular, como é que vamos conseguir vender por algum valor significativo?
      SRN

      • E ainda vou te lembrar uma coisa: o Jorge começou como segundo reserva e o Flamengo ainda trouxe mais um jogador pra colocar o Jorge como terceira opção. Só conseguiu jogar e se firmar não com planejamento e sim com uma série de coincidências aleatórias tipo contusão de um, suspensão de outro, e etc. Hoje é o jogador mais valorizado do elenco.

        Isso é planejamento ou acaso?

        • Anderson

          Acaso.

      • Anderson

        Tudo bem, André? Cara, voltando nos elencos do Fluminense com Unimed só me recordo do Thiago Silva e do Wellington Nem. O resto é pós êxodo da Unimed. Não é?

        • André N Lessa

          Olá Anderson, respondendo de cabeça e com o risco de errar algum nome. Vamos lá, sobre o Fluminense:
          Marcelo – Real Madrid
          Os dois laterais gêmeos que foram para o Manchester
          Carlos Alberto
          Diego Souza
          O Wellington, ponta esquerda, que retornou agora
          So Santos eu ainda lembrei do Danilo que está hoje no Real Madrid, Alex que está no Milan e devem ter outros.
          SRN
          PS: Veja que mesmo durante a época da Unimed, o Fluminense conseguia colocar jogadores da base no time titular.

          • Anderson

            Carlos Alberto 2004, Diego Souza 2005, Marcelo 2007, Wellington é pós Unimed. Os gêmeos nem chegaram a se profissionalizar pelo tricolor, se não me engano.
            Penso que o trabalho seria mais extenso para corroborar esse argumento. Por exemplo, quantos jogadores da base haviam em 04, 05, 06, 07? Me parece uma época em que se utilizou muito a base, mas não consigo pesquisar agora.
            Não sei se ficou claro pelo texto, mas colocar os jogadores da base no time que jogará o estadual e/ou no time B, me parece o caminho. Até porque a nossa base é muito recheada e quando surgir um jogador de nível igual ou melhor que no profissional esse cara sobe. Importante salientar que eu não estou dizendo que a base é melhor ou pior que MA, Cirino, Gabriel e cia limitada. Só que se você tem esses jogadores jogando num time B, ao invés de buscar o Cuellar por 2, 3 milhões de Euros, se pode pegar o Ronaldo pelo salário. Neste sentido, talvez o recuo em relação ao expressinho no carioca deste ano foi um tiro no pé. E agora invés de pensar em Vitinho, poderíamos ter a certeza de que Cafú e Paquetá são as soluções para o setor.

          • André N Lessa

            Oi Anderson,
            Então, concordo contigo que o planejamento desse ano foi pelo ralo quando o Flamengo não pode jogar o Estadual com o time sub-23.
            Com relação ao Fluminense, é sempre bom lembrar que, durante um bom tempo, os jogadores da base do Fluminense pertenciam a “dirigentes/empresários” como foi o caso, se não me falhe a memória, do Américo Faria com o Carlos Alberto.
            Entendo sua argumentação sobre os anos pretéritos, mas acredito que devemos focar na década atual em relação ao Flamengo, principalmente agora com a sua recuperação financeira.
            O fato de estarmos cada vez mais estruturados financeiramente não nos permite virarmos um Real Madrid que vive contratando jogador por um preço exorbitante – parece que o preço tem de ser alto por lá dentro da filosofia do time de galáticos. O Flamengo está cada vez mais estruturado para ter definitivamente a chancela de clube formador. Então a consequência natural disso tem de ser, necessariamente, o surgimento e aproveitamento dos jovens valores.
            Podemos contratar o Vitinho por empréstimo se for uma boa oportunidade? Sim, mas desde que tenhamos espaço no elenco para as valências, ou polivalências (estou falando igual ao Tite ha ha ha), das ditas revelações.
            Por isso a minha aposta também no Zé Ricardo. Acredito que ele poderá, ainda mais, sendo repetitivo eu sei, se o Bandeira de Melo se livrar da culpa da primeira demissão do Jayme, tendo uma comissão técnica re-oxigenada e mais alinhada com os avanços tecnológicos que os demais departamentos complementares do futebol receberam ao longo desse ano.
            Resumindo, se é que posso usar essa expressão depois do tanto que já escrevi, o tema é interessante e acredito que as conclusões são parelhas. Agora é aguardar o que 2017 nos reservará.
            Um Forte Abraço,

          • Anderson

            Concordo, apesar de achar que o modelo, atenção: MODELO, de negócios do Flamengo chegará cada vez mais perto do utilizado pelos Madrileños. E eu até defendo um pouco esse modelo: Algo como duas ou três contratações de impacto, mais base do time do ano anterior, mais jogadores da base que serão pinçados para subir e fazer dinheiro. Não é o modelo do Real, mas é o que o Flamengo está se aproximando e que já melhora muito as coisas e, abrindo um pequeno parêntese de uma outra seara, faria o Flamengo começar a disputar jogadores com times médios europeus, haja visto a nossa arrecadação sem a venda de jogadores, imagina vendendo um ou dois por valores como os de Gabriel Jesus. Fechou o parêntese.
            No fundo tenho visto que no que tange à negócio o Flamengo melhorou muito nesse últimos anos. Tem pinçado jogadores de destaque das bases de outros clubes, tendo o Vizeu como exemplo. A grande falha para mim ainda é o onde esses jogadores têm feito transição para o profissional. Acho que, No Flamengo, jogador só sai da base para o profissional direto se for incontestável. SRN

          • André N Lessa

            Anderson, na minha visão, enquanto o câmbio for de 3 para 1 e as premiações das competições sul americanas muito aquém em valores unitários, ou seja sem a conversão de moedas, das competições europeias não existe a menor possibilidade do Flamengo competir com os times lá de fora. Repare que nem coloquei na equação o mercado asiático e se o mercado americano realmente irá para frente ou não.
            Outro ponto para reflexão: um Gabriel Jesus por ano já representaria 25% do faturamento anual. Ou seja é muito dinheiro, sem falar nos dividendos técnicos durante as temporadas em que ele atuar nos profissionais.
            3 jogadores pontuais – leia-se aqui também oportunidades como foi a do Diego – por ano seriam muito bem vindos pelos próximos 5 anos. Depois poderia cair para 2 jogadores.
            O que eu gostaria de ver também é que jogadores como Diego pudessem pegar jovens promessas e encaminhá-los para uma melhora de performance e apoio na transição. Certa vez achei que o Pet poderia vir a fazer isso com o Camacho que era o 10 da base na época e excelente cobrador de faltas. Talvez seja utopia, mas traria bons frutos caso pudesse ser implementado.
            Do ponto de vista financeiro, o Flamengo tem tudo para se tornar um clube cada vez mais rico, mas penso que durante os próximos 10 anos os investimentos ainda deveriam ser estruturantes tais como:
            – solidificação cada vez maior do Flamengo como uma instituição modelo do bem dentro da sociedade;
            – contínua ampliação e modernização do CT com sistema cada vez melhor e maior de hotelaria de forma que a filosofia fosse estendida à fatias cada vez maiores da base;;
            – construção de um estádio;
            – contínua modernização da sede;
            Para terminar: a parceria com a Adidas tem de avançar em uma captação de patrocinadores estrangeiros de grande porte e que atuam no exterior.

          • Anderson

            Perfeito. A minha impressão como disse, é que estamos caminhando cada vez mais nessa direção. Me faz falta, já fugimos bastante do tema aqui, ações de Marketing positivas com os jogadores dora de campo. Por exemplo, tivemos o Outubro Rosa no mês passado. O Flamengo jogou no Morumbi, no Pacaembu, no Beira Rio e no Mineirão. Em nenhum desses lugares o Flamengo fez uma ação com os jogadores, e suas esposas ou mães neste caso em específico, indo a palestras, promovendo encontros, formação etc. E olha que teve eventos em SP na época em que o Flamengo esteve na cidade. O Dia de doação de sangue rubro-negro, visitas a institutos de Câncer, etc. Essas coisas são pequenas, ocupam pouco tempo da agenda e fazem um bem danado para a sociedade e para a imagem do Flamengo. Você não vê os jogadores do Flamengo fazendo propaganda de algum patrocinador. Nós pagamos uma grana preta com direitos de imagem. Isso precisa melhorar muito. Mas sou muito otimista e vejo que estamos nos trilhos em relação a essas coisas.

          • André N Lessa

            Então, Anderson, a prosa está boa.
            Venho batendo nessa tecla de ações sociais tem tempo. O Flamengo deveria se espelhar em alguma franquia da NBA para entender como otimizar e capitalizar à partir dessas ações.
            Assim como penso que para manter o caráter e capitalização da torcida nacional o Flamengo deveria fazer uma partida a cada dois meses fora do Rio como mando de campo.
            Outro ponto que devemos ter em mente é que, apesar de toda essa organização, pode ser que tenhamos eventualmente uma temporada onde as coisas pareçam não estar dando muito certo. Uso o time atual de basquete como exemplo.
            Isso não pode significar nem o fim do mundo em termos de caos, nem falta de apoio da torcida.
            Um Forte Abraço,

          • Anderson

            Roubei da internet algumas ideias sobre o Outubro Rosa pra não ficar muito no ar. Podía-se fazer um dia do Rosa. Um dia em que todos fossem desafiados a usar rosa. Bombaria a venda de uma camisa por exemplo. Parte das vendas poderiam ser destinadas a alguma instituição.
            Poderiam levar mulheres que venceram a doença para falar num jogo. Coisa de 15min antes da partida.
            A iluminação do Maraca poderia ter sido Rosa num dia específico.
            Agora é tarde e vamos aos próximos, mas perdemos oportunidades. Lembrando que na reta final do campeonato há pouco espaço para estas ações.

    • Vinicios Mendes

      Pior que eu acho que a culpa maior e nossa,aqui insistimos em botar jogadores de base mas na primeira bobeada a visão que se tem dele será esse erro.

    • Murilo LaRock

      Perfeito Almir, ia postar exatamente isso, o aproveitamento do atleta no time é o que interessa, se não for vendido, ou ainda não foi vendido não pode ser parâmetro pra fracasso do jogador.

    • Anderson

      Opa. Tudo bem, Arthur? Então, acho complicado medir essa utilização aí. Porque se o jogador se torna grande, ele é vendido. Não se torna, ele cai no esquecimento. Então a negociação é um parâmetro mais seguro para se medir a revelação de jogadores.
      Vou tentar lembrar uns exemplos: O Erik apareceu no Goiás e na segunda temporada em que perceberam que era diferenciado, partiu para o Palmeiras por 3 milhões de Euros. Tem a venda.
      Estou tentando lembrar um caso em que o jogador sobe, é diferenciado e fica. O Neymar ficou por bastante tempo, mas o Santos pagou alto por isso. Sinceramente, não consigo me lembrar. Você recorda algum?

      • Meu nome é Almir, não Arthur, e hoje em dia o futebol não permite mais isso, jogador jovem se destacar e ficar muitos anos no mesmo clube. São os novos tempos. Mas isso não tem importância na questão. Não quer dizer que não possam jogar 2, 3 temporadas ao menos, como o Jorge.

        O importante é: quantos jogadores formados na base estão atuando no time? Mais de 3 ou 4? Então o clube SABE APROVEITAR os seus atletas da base.

        Vão se destacar e ser vendidos? Ninguém sabe, pode ser que sim ou que não. Mas o relevante é que o clube está FORMANDO E UTILIZANDO seus atletas. Se vão ser vendidos caro ou barato no futuro, é uma questão secundária.

        • André N Lessa

          Isso mesmo Almir e apenas para constatar o óbvio:
          Se os atletas da base são utilizados no time titular, a lógica diz que:
          1. Para o jogador: vale à pena ser jogador da base porque se ele se dedicar, e tiver talento, conseguirá uma oportunidade no profissional;
          2. Para o Clube, todo e qualquer jogador da base que vira titular significa uma contratação só pelo salário com o benefício de não ser um salário alto – especialmente quando comparado à transações similares.
          SRN

        • Anderson

          Desculpa Almir. A sua resposta foi do celular e, de repente, o corretor pode ter sacaneado. Mas me retrato aqui.
          Então, acho que isso é muito relativo. A lógica do futebol é muito perversa. Hoje em dia o jogador de futebol que não foi para a Europa, fracassou. Não são muitos os casos de grandes nomes que tenham feito carreira de mediana para boa e não foram para lá. Só consigo lembrar Marcos e Rogério Ceni. E estou tentando observar a ótica do clube, que é bastante complexa. Por exemplo, Jorge já tem uma temporada com o time. Veio, ou não, uma oferta do City e o Flamengo balança. Michael já agrada na base. Ainda não é a hora dele com 17 anos, mas vale a pena segurar o Jorge vendo que recebe muitas críticas da torcida e pode sentir essa pressão? Digamos que o Clube venda. Michael faz uma campanha ótima com a base na copinha e o clamor por uma chance ganha corpo. Ele joga o Carioca, se destaca e já começa a ter oportunidades em 2017. Outro garoto da base vai tomar o seu lugar no time de baixo. Michael se torna titular e na janela de 2018 já tem proposta. Vê como a lógica do futebol impede esse aproveitamento? Claro. Isso só vai acontecer se o Flamengo continuar brigando em cima da tabela, o que parece o resultado mais óbvio dos próximos anos…
          Ou seja, o aproveitamento é mais inseguro como fonte de avaliação da base do que a utilização. Usamos Muralha(volante) e Welinton por um período até grande. Como eles não foram vendidos, ninguém mais se lembra. Até porque a qualidade técnica não agradou.

    • Lucas

      Vc próprio já respondeu a sua pergunta…. torcida.

      • Luis Paulo Pinheiro

        A torcida é culpada por tudo????

        • Lucas

          A maior parte.

    • Ricardo Dias

      Almir,
      O problema é que nossos jogadores da base não são vendidos, nem aproveitados. Eles simplesmente somem…

      Aproveitar jogador nunca foi uma opção para clubes brasileiros devido à concorrência com clubes de países com economias e moedas mais fortes.
      Sem contar que o jogador já nasce sonhando em jogar na Europa. Se o cara se destacar, quem consegue segurar?

      Então, por que os nossos jogadores somem?
      A torcida pressiona? O Andrade foi pressionado? O Zico foi pressionado? O Bebeto foi pressionado? Sim, e muito!

      Não tinha idade para acompanhar o início da carreira do Bebeto, mas sei que fazia um caminhão de gols, inclusive decisivos, e ainda assim era vaiado.

      É isso que diferencia o craque do bom jogador: a capacidade de suportar pressão dentro e fora de campo.

      Finalizando, acho que estamos no caminho certo e com o CT da base concluído, estaremos no topo dos clubes reveladores de jogadores.

      SRN

      • Anderson

        Opa. Tudo bem, Ricardo. Acho que quando você tem um extraterrestre no time fica mais fácil pra qualquer jogador entrar, pegar camisa e ficar. Zico consagrou muita gente naquele Flamengo. Assim como acontece com outros times. Neymar consagrou André, Zé Love… Ninguém me tira da cabeça que Daniel Alves nunca foi grande coisa. Agora na Juventus ninguém fala dele quase.

        • André N Lessa

          Lembrando apenas, Anderson, que o extraterrestre Zico subiu, voltou para a base para subir então definitivamente.
          SRN

        • Ricardo Dias

          Blz Anderson? Concordei com seu post. Muito bom!
          Mas hoje, conseguiríamos segurar um Zico por quanto tempo?
          Ou melhor, teríamos paciência para esperar o galinho de quintino ser o Zico?

          • Anderson

            Duvido horrores. Neymar já tinha propostas na base. Agora eu acho que vale a pena bancar um extraterrestre. Ele vende até perebas. Fora o fato de que o retorno esportivo é garantido. Já estou sonhando com um extraterrestre aqui há algum tempo… O que você acha que vai acontecer primeiro? O Flamengo criar um extraterrestre ou comprá-lo?

        • LZKSB

          Kkkkkkkkkk Dani foi essencial ao Barcelona. Na Juventus ele é mais defensor, estamos na Itália e lá se defende pra se atacar. O que é bom. Visto que ele se atacou melhor do que defendeu. Hoje na Vecchia Senhora ele vem evoluindo defensivamente. Dani é um dos melhores da posição há anos. E com certeza manteve o nível. Tanto que Linchesteiner pediu pra cagar e saiu.

  • silasT

    Tinha um tal de Lucas que era da base do Cruzeiro e havia sido vendido ao Real Madrid.

    • Vinicius

      Foi vendido e não jogou por lá não só por conta das estrelas do time, mas porque teve um problema grave no coração (que custaria a vida se estivesse em campo). Agora que está operado e com boa forma talvez seja vendido.

      • Vinicios Mendes

        Se for o Lucas Silva,ele jogou 1 ano inteiro no Real(na verdade meio no Real e meio no Castilla.)não foi aproveitado em nenhum por opção técnica mesmo,tanto que foi pro Marselha da França e não foi aproveitado tbm la.

  • silasT

    Essa política de empréstimo a time de série B já está de bom tamanho, raciocine: Se ele não se destaca em um time de Série B como pode render No Fla?.
    Sou contra essa de time B, seria muito melhor que o Fla fizesse uma parceria durante o campeonato paulista com um time de lá para observar seus jogadores durante esse campeonato, dependendo de quem se destacar ae sim traz de volta.

    • Murilo LaRock

      Foi com essa ideia de não se destacar em time de série B jogador não serve para o clube que o corinthians se livrou do William arão e do Everton ribeiro. Não existe uma regra exata, mas “largar” jogador em outra equipe é complicado, porque nem sempre o jogador é escalado da melhor forma possível, e muitas vezes só serve para “tapar buraco”. Lembro a um tempo atrás, fui ver um jogo do tal do red bulls, e o Igor Sartori estava jogando como lateral, e já vi algo parecido acontecer com o Thomaz. Quando existe um time B, como acontece no Santos, você escolhe o técnico, a maneira como o time vai jogar e aonde os jogadores vão jogar, ai sim pode-se fazer uma analise do jogador.

      • silasT

        Mas ai é querer proteger o jogador demais colega. Qual jogador não tem problemas com a tática, técnico ou adaptação?, William Arão quando vingou estava na série B, se o jogador é bom de fato ele se destaca em um pequeno da Série b. Quanto a time B acho mt protecionismo por parte do clube.

  • Evandro Caldeira

    Bom, tudo que explanou faz sentido! Criar um time B pode ser uma saída, emprestá-los aos pequenos do carioca é outra saída, estava eu navegando na internet e vi que o campo da Portuguesa está a venda, pela estrutura é barato, poderia fazer uma parceria com um time de São Paulo da série A2, com a própria PORTUGUESA-DESP e várias outras equipes lá em SP! Uma solução também seria mesmo aqui no carioca, mas o problema é que essa possível parceria seria muito curta, o carioca acaba ligeirinho! Mas se fizessem uma parceria com um time de São Paulo, certamente esses garotos da base iriam arrebentar e seriam futuros craques no mengão e iria entrar dinheiro no rubro-negro e os garotos teriam um futuro promissor no Flamengo ou em outro clube!

  • Leonardo Dias

    Toloi e Jonathan Cafu n foram revelados pelo São Paulo

    • Ruan Pedro

      Toloi veio do Goiás, né?

  • Tucano

    O que falta na base são profissionais que encherguem o futebol atual é consiga implantar isso na base. Jayme, Gilmar Popoca e outros ex jogadores que trabalham na base não se prepararam pra trabalhar com o futebol, pra trabalhar o básico do futebol, só dão rachão e coletivo. E preciso investir na base, além do CT , também investir em material humano pra lapidar os garotos pra integrá-los ao profissional. Chegando ao profissional, o DP de futebol tem estar sempre perto do treinador e exigir que o mesmo dê oportunidades a aqueles que demonstra ter competência pra isso. Esse ano por exemplo, em inúmeras vezes o treinador perdeu oportunidade de colocar o Ronaldo, o trindadd, o Tiago Santos e por aí vai. Dos times grandes o flamengo é o que quase não aproveita sua base, com isso o jogador perde sequência de jogo e vira nada, outros saem como aconteceu com o Caio Rangel que hoje está no sub-20 do cruzeiro e jogando bem. Esses que estão no elenco hoje, se continuarem no flamengo vão virar nada, pena porque eu via muito futuro no Ronaldo, um dos melhores volantes da base nos últimos tempos, muito melhor que essas merdas que tão jogando como Araújo, Arão e cuellar. O treinador colocação Patrick e até zagueiros de volante, mas o Ronaldo não. Esse tipo de pensamento, afasta jovens promissores da base do flamengo, o pai pensa duas vezes antes de.levar o filho pro clube, infelizmente é assim.

    • Luis Paulo Pinheiro

      Concordo…..

  • Fabio

    Anderson entendo isso, de o Flamengo mandar jogadores para uma “filial”. Mas voltando para o cenário atual: o Flamengo é um clube que passa por uma reestruturação financeira e de infraestrutura. Não pode se dar ao luxo nesse momento, e nem tão cedo de manter dois clubes. Esses jogadores da “base” hoje em dia já recebem 25mil, 50mil… e os clubes pequenos não tem condições de bancar, ficariam no bolso do clube. Você pega 10 jogadores por 50mil, são 500 mil mensais, em uma temporada é um custo de 6 milhões e meios. Além de esses jogadores não terem interesse em trocar o Flamengo por um Bangu da vida (exemplo: Mugni). Eu acredito que com o CT da base, e uma blindagem aos jogadores com atitudes como banir empresários de dentro do dia-a-dia do clube, impedir que esses caras influenciem nas decisões de técnicos da base ou profissional, mais jogadores serão revelados. E você vê que os jogadores esperança que vão fazer partidas profissionais, realmente não estão no nível desejado, mas de vez em quando surgem um Jorge da vida que arrebenta. O Vizeu vem sabendo aproveitar as oportunidades… mas quantos entram e não jogam nada? Concordo que existe paciência dos técnicos com jogadores medíocres como Márcio Araújo… mas no geral as oportunidades são dadas e não aproveitadas. O Flamengo é pressão, só vai se destacar os feras, e não tem essa de ter paciência.

    • Anderson

      Opa. Não penso bem por aí. Acho que o Flamengo investir num time B, seja um investimento de retorno muito rápido, até porque não acredito que Luverdense, Atlético Goianiense e etc paguem o salário desses jogadores…

  • Silvio Marcelo

    Acho interessante essa idéia de time b. ..mesmos porque à exemplo desse ano teremos muitas competições e sem falar na libertadores que vai rolar durante o ano todo. .. .. É como você falou….uns achan que deve colocar o jogador da base em um time arrumado. …É claro que é bem mais fácil um jogador da base mostrar seu talento no Santos que não existe a mesma pressão de que um flamengo. ..mais pra mim quem tem talento joga em qualquer local independente de pressão …Acho também que os caras que comandam a base precisam de óculos pois adam vendo futebol onde não existe , chamam qualquer jogador meia boca de jóia. ..Vou dar dois exemplos recentes ..o tal de Mateus e o tal de jaja (lembro que fui massacrado aqui quando chamei ele de jogador mediocre). ..Quem um dia viu futebol nesses dói jogadores pra mim sofre de milpia

    • Dieki

      Jorge entrou porque os dois titulares estavam impedidos de jogar. Deu sorte. Pro ronaldo jogar, tem que desmbrar o ma, arao e cuellar. E ainda assim, se duvidar, o zr vai colocar o cirino ou o gabriel de volante.

  • rafa

    O Tite que é o melhor da atualidade naovgosta de usar jogadores da base, pois o time profissional e para ganhar títulos e não para servir de ponte para jogadores inexperientes irem para a Europa

    • LZKSB

      Tite Convoca Paulinho o mantém como titular sem condições. Não é porque ele é melhor que temos que aceitar tudo o que ele faz.

    • LZKSB

      Na tua opinião como vamos revelar novos craques?

  • rafa

    Jemrson não é melhor que Samir escorregão, é infinitamente melhor.

    • LZKSB

      Kkkkkkkkk Claro os bons sempre estão nos outros times. Por essas burrices que Bressan’s vem jogar aqui kkkkk

      • Luis Paulo Pinheiro

        O Samir é o melhor zagueiro produzido na Gávea, nos ultimos tempos….kkkk

  • Júnior Ramos

    Santos só vendeu gabigol? Kkkkkkk
    Vendeu Geuvanio por uma boa grana.

    • Anderson

      Opa. Obrigado.

  • Edson Leal

    Acho pertinente levantar o atual cenário de revelações nos outros clubes brasileiros, e claro, comparar com o que o Flamengo tem feito.

    O que me incomoda e acho que questiona um pouco o argumento desse texto, é o fato de que o último craque revelado na Gávea tenha sido o Adriano. Não estou falando de “Renatos Augustos” da vida, estou falando de craques de verdade.

    E nesse quesito o Flamengo toma de lavada de times como Santos, São Paulo e Internacional.

    • LZKSB

      Craque nesses times só Neymar Diego e Robinho. Os demais são no máximo bons jogadores. OSCAR? Lucas Moura?

      • Edson Leal

        Oscar e Lucas Moura não chegam a ser CRAQUES, em letras maiúsculas mas são grandes jogadores, e bem melhores que qualquer um que nós revelamos nos últimos 15 anos pelo menos.

        Tem o Kaká ainda pelo São Paulo, o Alexandre Pato no Internacional e por aí vai.

    • Ednei P. de Melo

      O Adryan tinha um bom potencial. Só não sei o que aconteceu com ele… &;-D

  • Marty Mcfly

    Sabem me dizer se o Inter hoje tá jogando com os titulares?

  • Júnior Ramos

    Fluminense esta com um bom trabalho e transição da base para os profissionais.

    • Anderson

      Opa. Na minha opinião o Fluminense tem que fazer isso porque não pode mais pagar Deco, Conca e cia.

      • Júnior Ramos

        Melhor pra eles.
        Flamengo anos 80 e início dos 90 usava sua base muito bem.

        • Anderson

          Tá pagando a conta aí no Fim do Brasileirão. Vai ficar fora do G6

  • Rafael Dantas

    Wiliam é lateral direito e não esquerdo, e o Renato Augusto vingou sim no Bayer leverkussen. Teve temporada que ele ficou entre os melhores do campeonato. O único problema dele foi o excesso de contusoes.

  • Sempre na luta

    Lucas Paquetá não tem chance, pois tem Gabriel……. Ronaldo não joga, existe uma desgraça chamada MA…..ou seja, no flamengo a base só serve pra jogar em treinamento e coletivos

    • Gustavo Lima

      Só servem pra tapar buraco.

  • Ltom Macêdo

    Se não joga, não valoriza!

  • Ruan Pedro

    Alguém lembra do Jajá? Sabem onde ele tá?

    Ele representa o que é a base do Flamengo nos últimos tempos. Vi vários jogos dele na base. Vários. Lá ele era diferenciado, jogava a frente, forte, vertical.

    Lógico, pediam no titular. Entrou em uma três jogos. No último, errou as 4 primeiras bolas, torcida começou a vaiar, nunca mais entrou, nem relacionado era.

    • Felipe Trindade

      Avai e acho que se machucou

    • Murilo LaRock

      Chegou jogando bem lá no Avai, mas se machucou. Acho que ele tá um tempão parado.

      • Ruan Pedro

        Eu cheguei a ver uma joguinhos dele, mas sabe aqueles entrando aos 35 do segundo tempo?

        Foi daquele jeito.. nada demais.

    • Luis Paulo Pinheiro

      Se o Jajá representa a base do Flamengo nos ultimos tempos então já sei porque a base é um fracasso. Não moro ai no Rio, mas, assisti a vários jogos dele na base. Jogador lento – um pecado no futebol atual – e sem posição definida em campo – não sei se era volante, armador, atacante.

      • Ruan Pedro

        Respeito sua opinião. Mas a minha é bem diferente. Passou longe de ser diferenciado, mas potencial e prospecção de jogador eficiente e de certa técnica, tinha de sobra.

  • Felipe Trindade

    Fala Andersen, bom texto…
    Douglas Baggio não está mal, é titular, mesmo sendo de uma equipe pequena.
    E hoje ele não é aquele homem gol que foi na base, joga com a camisa 7, mais pelo lado direito.
    Gostei de uma parte do texto que citou o nome do Mugni, mesmo não tendo nenhum destaque sobre ele no texto.
    O Flamengo tem esse defeito, não sabe aproveitar jogador bom, ou bota uns na fogueira, ou não colocam em momento nenhum.
    o Mugni é talentoso demais, quem joga bola, vê que ele tem futebol, muita visão de jogo, se desse oportunidade pra ele, num time bom, onde ele não tenha responsabilidade da pesada camisa 10, com certeza ele seria um bom jogador no elenco.
    Assim como Jonas, Hector Canteros, Leo, Luiz Antônio, Rodolfo e assim vai.
    Parabéns pelo texto, SRN

    • Dieki

      O flamengo precisava desesperadamente de um 10. Contratou un monte de 8 por ai, colocou de 10 e nenhum deu certo.

    • Luis Paulo Pinheiro

      Bom dia. Esse Mugni é o argentino?? Vc acompanhou o emprestimo dele, se não me engano para o Newell’s Old Boys? Foi horrivel sua passagem por lá. Acho que, como muitas outras contratações realizadas anteriormente, a vinda desse “craque” foi uma tremenda bola fora.
      Dos outros nomes citados o que parecia ter mais bola era o Canteros. Mas por algum motivo “oculto” foi desaprendendo aqui no Flamengo.
      Jonas, Léo, Luiz Antônio, Rodolfo são jogadores que nunca me convenceram.

    • Gustavo Lima

      A coisa principal que não trabalham com os garotos é o psicológico. Quando eles chegam no profissional já precisam estar preparados pra gangorra de amor e ódio que a torcida faz. Isso também acontece com os mais experientes. Um gol coloca eles no trono e um erro fatal derruba dele. Nossa base tem jogadores de boa técnica e não há dúvidas mas a mentalidade pra assumir a responsabilidade de jogar num time grande, atender às expectativas e encarar as críticas da torcida

      não estão sendo construídas.

  • Rico Rufino

    A resenha é grande e o assunto é extenso. Existem muitas teorias sobre essa política de usar jogadores que estão subindo e, na mina opinião, a que mais me agrada é a filosofia de que grandes times formam grandes jogadores. O flamengo está formando um grande time, com um modo bem definido de jogar. A espinha dorsal para 2017 está pronta e reforços pontuais serão necessários. A partir daí, tem que existir um mecanismo para fazer esses garotos entrarem em campo, dar chance para que eles se desenvolvam. Não é possível que o Ronaldo não seja mais jogador que MA. Na verdade, acho que ele tem potencial pra ser até melhor que Cuellar, o garoto é mais completo. E a resposta para nossas pontas, pode estar mais próximo do que pensamos com Thiago santos, Cafú, Paquetá e por aí vai. Fato é que esse ano foi um ano de transição, atípico eu diria. Considerando o projeto desenhado por Muricy e executado em sua maior parte por Zé Ricardo, acho que saímos no lucro com algumas ressalvas. Em 2017 o Fla tem tudo pra ser o time a ser batido e a garotada finalmente conseguir os seus lugares ao sol. SRN!

  • Marcelo Miranda

    Essa é uma boa ideia! Acho que estamos verdadeiramente desperdiçando talentos da nossa base!

  • Lucas Garcia

    As verdades sao as seguintes: o Flamengo nos anos antes da gestão bandeira investia muito pouco na base, e sem falar que tinham bons jogadores vindos da nossa base que foram mal lapidados, muralha, adryan, matheus, os caras entravam, na maioria das vezes nao correspondia e ai era sacado sem do nem piedade, sendo q é completamente normal isso com jogadores jovens, o gabriel jesus é um exemplo disso, comecou indo mal nos profissionais e so foi ganhar certo destaque no final do ano passado, e só virou de vez esse ano. Agora a geração é de vizeu, paqueta e companhia, esses dois especialmente me enchem os olhos, vamos aguardar.