Página inicial Colunas “Recordar é viver” – Zagallo

“Recordar é viver” – Zagallo

492
0
COMPARTILHAR

Mário Jorge Lobo Zagallo é uma verdadeira lenda viva do clube, tanto como jogador como treinador. Zagallo nasceu em Maceió em 1931, para se tornar uma figura impar na história do futebol brasileiro.

Revelado pelo América do Rio de Janeiro, transferiu-se para o Flamengo em 1951, e foi no clube que ele apareceu para o mundo. Foram 7 anos de Gávea, e ao lado de jogadores como Evaristo de Macedo, Joel e Dida, ajudou o clube a manter a soberania no futebol carioca na década de 50. Foram 218 jogos e 30 gols marcados.

Após ganhar o Tricampeonato carioca (53,54,55), ganhou uma vaga na Seleção Brasileira, sendo titular na Copa de 58, desbancando jogadores mais badalados como Pepe, astro do Santos e Canhoteiro do São Paulo. A modernidade era o grande trunfo de Zagallo, era um ponta esquerda que recuava para ajudar no meio-de-campo,o desafogo da defesa e  idealizador do contra ataque. Zagallo já via o futebol do futuro.

Mas no ano em que foi Campeão Mundial, Zagallo se transferiu para o Botafogo que tinha nomes como Didi, Garrincha e Nilton Santos, ganhando um Bicampeonato Carioca, o velho Lobo ficaria do alvinegro até 1965, quando se aposentou. Pela Seleção seria também Bicampeão em 1962.

Ao se aposentar, logo ingressou na carreira de técnico, começando pelo próprio Botafogo, onde se destacaria e logo seria cogitado a treinar a Seleção Brasileira, treinada por João Saldanha.

Assumiu a Seleção em 1970 e revolucionou o futebol brasileiro, sendo comandante de um dos melhores times da história futebol mundial. Ficou na Seleção até a Copa de 74, quando viu seu time ser eliminado pelo ”Carrossel Holandês” de Johan Cruyff.  Zagallo regressaria para Seleção como auxiliar em 1994 onde se sagrou Tetracampeão Mundial e como técnico na Copa de 1998 onde seria vice campeão.

Em 1972 teve sua primeira experiencia como técnico do Flamengo, conquistando o Campeonato Carioca, voltou em 1984 para conquistar apenas uma Taça Guanabara. Mas seria na sua terceira passagem pela Gávea, que Zagallo conquistaria ainda mais a Torcida Rubro-negra. Quarenta e seis anos depois de ganhar um Tricampeonato como jogador, Zagallo ganharia também como técnico. Em 2001 , foi do jeito que a torcida gosta, gol no final do segundo tempo, contra nosso maior rival. Aos 43 minutos do segundo tempo, Petkovic cobraria uma falta no angulo do goleiro Helton, escrevendo seu nome na história e presenteando uma lenda do futebol mundial, o treinador também ganhou a Copa dos Campeões daquele ano. Depois dessas alegrias, Zagallo teve que encerrar sua carreira como técnico por questões de saúde.

Hoje Zagallo tem 84 anos, que se confundem com a história do futebol brasileiro.

“Recordar é viver”, Zagallo o velho Lobo


 

Extra: Apegado publicamente ao número treze desde a época de jogador, revelou que isto originou-se com sua esposa, que era devota de Santo António, comemorado em 13 de junho.

Rodrigo Ferreira. Somos Loucos e Fanáticos.

rodrigo.ferreira@colunadoflamengo.com

Comente pelo Facebook